Q

Previsão do tempo

18° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 23° C
18° C
  • Tuesday 25° C
  • Wednesday 30° C
  • Thursday 26° C
19° C
  • Tuesday 27° C
  • Wednesday 30° C
  • Thursday 27° C
EU PESCADOR ME CONFESSO

A ESMOLA E O CONFISCO

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Os nossos “queridos” governantes só conhecem dois métodos de governação: a esmola e o confisco. Por um lado mendigam dinheiro a Bruxelas e, por outro lado, esbulham os trabalhadores, os pensionistas e os reformados. São um bando de terroristas económicos, sem pudor nem escrúpulos, que nos suga e nos explora com a conivência dos seus apaniguados.

Na realidade Bruxelas não nos empresta dinheiro, põe cá dinheiro a render com juros altíssimos. É uma espécie de cartão de crédito com dívida progressiva. Uma dívida que nos endivida cada vez mais. Uma dívida que cresce para pagar os lucros dos credores usurários. Uma dívida que se multiplica para que não faltem à camarilha os banquetes, as mordomias, os privilégios e o espectáculo. Não é dinheiro aplicado no desenvolvimento do país nem na criação de riqueza.

Apesar de tudo, isso ainda seria tolerável se os nossos governantes não impusessem, a grande parte dos portugueses, sacrifícios brutais que eles não podem nem devem suportar. Uma exigência feita com total insensibilidade, porque não avalia os danos que provoca. E que, simultaneamente, é estúpida, porque coloca a alternativa disparatada entre pagar impostos ou deixar de comer.

Percebe-se cada vez melhor que este Governo não tem por objectivo salvar o país, mas antes vender o país ao estrangeiro. Por tuta-e-meia e sem acautelar o futuro. Foi isso que já aconteceu e está em vias de continuar a acontecer, em sectores fundamentais da nossa actividade económica como: a energia, os cimentos, a exploração mineira, as comunicações, os aeroportos, a água, os combustíveis, etc. O que transforma estes governantes num misto de caixeiros-viajantes e ladrões de casaca, que destroem a nossa capacidade de recuperar e crescer. E, sem crescimento, não é possível reduzir a dívida nem o défice.

As políticas de austeridade destes “salvadores da pátria” fundamentam-se numa concepção rudimentar da economia e numa gestão danosa do património do país. Põem de um lado a receita, do outro lado a despesa, e, depois, fazem a diferença. Por conveniência ou má fé, querem-nos fazer crer que a economia do país se faz ao nível do “deve e haver”. É uma contabilidade de taberna que qualquer indivíduo com a 4ª classe podia fazer. O que evitaria que pagássemos a peso de ouro a: ministros, secretários de Estado, assessores e técnicos, que mais não fazem senão dourar a pílula.

Só que, governar um país, é muito mais do que isso. Muitíssimo mais do que: esmola e confisco.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.