Q

Previsão do tempo

15° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 25° C
15° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 31° C
  • Saturday 30° C
15° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 30° C
  • Saturday 30° C

Braçadeira de futebol para equipas técnicas foi ideia de nazareno

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Há cinquenta anos a sugestão de um dirigente desportivo da Nazaré deu origem à criação de braçadeiras para as equipas técnicas de futebol que se sentam no banco de suplentes. O jornal Record contribuiu para esta ideia.

Carlos Hipólito tem 79 anos e é proprietário de uma antiga drogaria na Nazaré, transformada em papelaria. Na época futebolística de 1968/69 era dirigente dos Nazarenos, clube que jogava na 3ª divisão. Numa partida com o Casa Pia, os ânimos exaltaram-se com a marcação de uma grande penalidade e o massagista da equipa da Nazaré agrediu o árbitro pelas costas. O juiz acabou por identificar como sendo o médico o autor da agressão e a Federação Portuguesa de Futebol estava disposta a irradiar o clínico, não fosse a contestação de Carlos Hipólito e a correção do verdadeiro agressor.

Para evitar que fossem cometidas mais injustiças do género, teve a ideia de criar braçadeiras de várias cores, para que os elementos da equipa técnica que se sentavam no banco de suplentes fossem facilmente distinguidos.

“Comecei a pensar como é que se podiam acabar com aquelas confusões. O que me surgiu foi que os que estavam no banco – médico, massagista, delegado – tivessem uma braçadeira, como já havia para o capitão da equipa, cada qual com cores e letras diferentes”

A ideia foi sugerida numa carta enviada ao diretor do jornal Record, na altura Artur Agostinho, que escreveu em editorial achar uma boa medida a ser implementada e estendida também ao treinador.

Meses depois, a Federação Portuguesa de Futebol apresentava braçadeiras de várias cores e letras a identificar o treinador, o médico, o massagista e o delegado ao jogo.

Quando Carlos Hipólito vê hoje estas braçadeiras sente-se “orgulhoso”, porque “está ali um bocado meu”. Se tivesse registado a patente, agora seria milionário. “Nem que fosse um cêntimo por cada braçadeira, hoje estaria rico, mas isso também não era o meu pensamento”, comentou. A intenção era que o árbitro facilmente pudesse identificar outros intervenientes no campo que não fossem os jogadores.

Hoje, a ideia de há cinquenta anos, é um adereço que se pode ver em qualquer partida de futebol.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL),...

ondajpg

Mário Cerol assumiu o Comando dos Bombeiros Voluntários da Nazaré

O novo comandante dos Bombeiros Voluntários da Nazaré tomou posse do cargo, no passado dia 25 de abril, uma cerimónia que contou com a presença da população e das entidades convidadas. Mário Cerol falou em compromisso, responsabilidade e em gratidão pelo convite...

mario cerol