Q

Previsão do tempo

13° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 12° C
14° C
  • Thursday 17° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 12° C
14° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 12° C

Alunos da Escola Básica do 1.º Ciclo de São Martinho do Porto participaram em “Caminhada com as Algas”

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Os alunos das turmas da EB1 de São Marinho do Porto participaram numa caminhada pedagógica intitulada “CAMINHADA COM AS ALGAS” dinamizada pelo CAFanafonso – Indoor Outdoor e Natureza – com o objetivo de aliar o exercício na natureza à descoberta de toda a história do “Limo Vermelho”, alga característica da praia de São Martinho do […]

Os alunos das turmas da EB1 de São Marinho do Porto participaram numa caminhada pedagógica intitulada “CAMINHADA COM AS ALGAS” dinamizada pelo CAFanafonso – Indoor Outdoor e Natureza – com o objetivo de aliar o exercício na natureza à descoberta de toda a história do “Limo Vermelho”, alga característica da praia de São Martinho do Porto.

Ana Afonso e Ana Paula Violante guiaram os grupos de alunos, respetivos professores e auxiliares por um percurso desenhado especificamente para esta caminhada com vários postos de transmissão da história e tradição da apanha da Alga, terminando na praia com um jogo que pretendia identificar os 4 tipos de algas – Vermelhas, Castanhas, Verdes e Azuis e, em particular, a Alga vermelha conhecida por Sargaço ou nome científico de Gelidium sesquipedale.

Os alunos também ficaram a saber que Portugal tem uma longa tradição de utilização de  algas  marinhas  (sargaço  ou  argaço) e limo vermelho para  fertilização dos terrenos de cultivo.  Esta atividade vem mencionada no foral de D. Dinis,  1308 que atribui o sargaço   apanhado   na   área da Póvoa   do Varzim aos seus moradores e é confirmado por  D.  Manuel, em 1515, no foral da mesma vila. No entanto, na baía de São Martinho do Porto, há 50 anos que existe a apanha da alga com outros fins bastante diferenciados. A apanha tem uma época específica que pode ser realizada entre 15 de Julho e 15 de novembro.

Todos os anos antes de iniciar a apanha, os mergulhadores mais experientes verificam o tamanho da alga e definem a data da apanha, respeitando o que a natureza dá e o trabalho do homem.

A Legislação “Regras da Apanha de alga Marinha”, no Exercício da atividade do mergulho profissional” (RAAMMP) Lei n.º 70/2014 de 1 de setembro, regula a apanha de espécies marinhas vegetais nas zonas definidas para o efeito pela Direção-Geral dos Recursos Marinhos, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM),  entre a linha de costa e a isobatimétrica dos 10 metros, com equipamentos de mergulho autónomo e semiautónomo. Esta é realizada na Zona 3A entre a Nazaré e Foz do Arelho, e tal se deve à característica da Pedra calcária vidrada que faz com que a raiz da alga permaneça na pedra para que possa crescer novamente ano após ano no seu ciclo de vida.

Já com uma vista privilegiada sobre a baía e o mar fora da barra, os alunos aprenderam um pouco sobre o ritual da Apanha – os segredos aprendidos e transmitidos ao longo dos anos e de geração em geração, Estes homens são mergulhadores semi – autónomos, o que significa que utilizam um equipamento de mergulho de circuito aberto autónomo de baixa pressão (Narguilé), encontrando-se dependentes do compressor existente no barco que recolhe ar atmosférico e o envia através de mangueiras para poderem respirar debaixo de água. Estas mangueiras são o seu “cordão umbilical”.

Uma vez no fundo prontamente começam a recolher algas para dentro de um saco de rede (Xalavar) colocado à cintura. Quando o saco está cheio, os mergulhadores dão sinal ao vigia que estão prontos para subir, dois/três puxões na mangueira e o vigia começa a recolher a mangueira, mangueira a que os mergulhadores se agarram e que durante breves instantes é também significado de descanso. Chegados ao barco, o saco cheio é colocado num guincho e recolhido para bordo, e outro saco vazio é entregue ao mergulhador, que prontamente inicia a descida. Cada mergulhador tem uma cor de saco única ou uma cor dos atilhos do saco, que não se repete no mesmo barco, o que lhes permite no final contabilizar o que cada mergulhador apanhou durante aquela jornada de trabalho.

Este vai e vem é repetido vezes sem conta ao longo de 7 a 8 horas, dependendo essencialmente da quantidade de algas existente e da força de vontade de cada homem, em média cada mergulhador apanha por dia 15 sacos, o que, consoante a capacidade dos sacos (entre os 50 e 100 quilos), dá em peso húmido cerca de 750 a 1600 quilos de algas/dia.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Ensino Básico do concelho da Nazaré mantém acesso à Escola Virtual

Os quartos anos do 1º ciclo e os dos 5º e 6º anos do segundo ciclo beneficiarão deste serviço até 2025 As credenciais da Escola Virtual estão a ser entregues a professores, encarregados de educação e alunos dos 4º anos do 1º Ciclo do Ensino Básico, bem como aos 5ºs...

6877134026795446035

Concelho tem um dos Eco-Agrupamentos do país

Nove escolas do concelho da Nazaré obtiveram o Galardão Eco-Escolas que premeia as boas práticas e o trabalho de desenvolvido no âmbito da Educação Ambiental e Educação para o Desenvolvimento Sustentável. A esta distinção junta-se, pela primeira vez na história de...

eco escolas