Q

Previsão do tempo

14° C
  • Tuesday 16° C
  • Wednesday 19° C
  • Thursday 18° C
14° C
  • Tuesday 17° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 19° C
11° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 19° C
Editorial

Ao povo que vai deixando de ser

Maria Clara Bernardino

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Um povo que não conhece a sua História, deixa de ter história. O caso do nosso país é crítico. Goste-se muito ou pouco do que se aprendeu nos bancos da escola, a verdade é que, segundo os entendidos no assunto, a História é cíclica e acaba por se repetir. Quem não a conhece, não sabe o que fazer mediante algumas circunstâncias e acaba por cometer os mesmos erros que se cometeram no passado, apenas por ignorância.

Com tanta revisão curricular, a História e a Geografia foram minguando na vida escolar dos alunos e relegadas para segundo plano. Todas as disciplinas são importantes para a formação do ser humano, mas convenhamos: quem não conhece a sua História, é como se não tivesse história. Nós não somos apenas quem somos. Somos o resultado dos que já foram, antes de nós, e o ponto de partida dos que hão de vir, depois. Para que existíssemos enquanto nação, houve muitas batalhas ganhas, quem sabe se outras tantas perdidas, muito sangue derramado, muita gente a gritar basta! È como se fossemos uma grande família: quem não conhece a história dos seus avós e dos seus pais não tem futuro, porque também não tem passado.

Não somos apenas porque somos. Somos de onde vimos e para onde vamos. A nossa História explica-nos porque somos portugueses e não espanhóis. A nossa Geografia mostra-nos os nossos limites, as nossas fronteiras e as duas disciplinas mostram-nos como e quando ultrapassámos essas fronteiras e nos tornámos no que fomos: um povo com orgulho.

Para além do Natal, há dois dias importantes para a nossa História e cujo sentido se foi perdendo para os mais jovens: o dia 1 de Dezembro e o dia 8, que apesar de ser um dia devotado à religião tem por trás uma decisão régia e foi durante muito tempo o Dia da Mãe. Depois, com a abertura ao mundo e a nossa velha mania de que o que é dos outros é melhor, alterámos o Dia da Mãe para o mês de Maio e deixámos de saber por que motivo foi preciso “restaurar a independência”. Afinal, isso já foi tudo há tanto tempo, pensarão muitos, que até já tem pó e teias de aranha.

Quem não respeita a sua Língua, a sua Cultura, a sua História é apenas um número e não alguém que faça a diferença. Quem não respeita a História da sua Nação, também não tem história e não tem Pátria. Pode ter um cartão de cidadão nacional, mas não passa de um apátrida no seu coração.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.