Q

Previsão do tempo

13° C
  • Tuesday 17° C
  • Wednesday 19° C
  • Thursday 18° C
14° C
  • Tuesday 19° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 19° C
10° C
  • Tuesday 18° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 19° C
Editorial

A CORRIDA AO MULTIBANCO

Clara Bernardino

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Apesar de os nossos dirigentes políticos virem a público afirmar que a situação do Chipre não será contagiosa aos outros países em situação delicada na União Europeia, a verdade é que o Euro-grupo não desmente a possibilidade de esse efeito cadeia se repercutir.

Têm sido muito grandes os sacrifícios pedidos aos portugueses. Poucos têm sido os resultados. Tal como os touros na arena que chegam cheios de vontade de marrar, também os nossos políticos chegam à cadeira do poder cheios de vontade de fazer diferente, mas a verdade é que, tal como os toiros no fim da tourada, também eles saem de cena com uma imagem de impotência e derrota.

Este governo apenas tem feito cortes e aumentado os impostos e, aquele que vier depois fará o mesmo. Lá garganta têm eles … garganta e lábia para nos convencerem de que com eles será diferente. E, nós, portuguesinhos crentes, lá vamos acreditando. Somos um povo cheio de fé. Temos Fátima, os pastorinhos e os milagres. Mesmo que digamos que não acreditamos em nada, passamos a vida a chamar por Deus, pelos Santos, por Nossa Senhora, enfim, o que significa que acreditamos sempre que vamos dar a volta à situação.

As imagens que nos chegam do Chipre são preocupantes. As longas filas em frente às caixas Multibanco fazem-nos pensar quando será a nossa vez. As pessoas tentam, ingenuamente, levantar o dinheirinho que foram amealhando, sabe-se lá com que dificuldade, e de que uma Europa moribunda, lhes quer tirar 20% . Que mal fizeram os cipriotas para verem 20% dos seus depósitos a prazo serem levados pelo Estado para pagar parte de uma dívida que ninguém pediu para ser contraída?

E Nós? Quando chegará a nossa maratona de ir à caixa Multibanco? Primeiro, a banca convencia-nos a contrair empréstimos – era só facilidade. Depois, instalou-se a crise e a mesma banca convidou-nos a fazer poupanças, apontando-nos diretamente o caminho dos depósitos a prazo, com juros mais altos. Talvez já fizesse tudo parte da preparação da maratona…

Talvez os cipriotas tivessem mais o que poupar. Talvez a nossa corrida às Caixas Multibanco não seja assim tão grande. Afinal, a maior parte de nós vive na corda bamba, sem saber como vai ser o mês seguinte se aparecer um imprevisto, logo, a nossa banca, mesmo que queira levar 20% , será 20% de nada.

Bem dizem que a História é cíclica: no tempo dos nossos avós, as pessoas guardavam o dinheirinho debaixo do colchão, na latinha do café, ou nos esconderijos mais estranhos de que se lembrassem… Mas confiar no Estado e nos Bancos, é que não!

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.