Q

Previsão do tempo

17° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 21° C
17° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 24° C
16° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 24° C

Cartas na Mesa

Walter Chicharro

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A saga privatizadora dos serviços de água e saneamento da Nazaré corre o risco de ter o seu epílogo a muito breve prazo. Jorge Barroso e PSD correm desenfreadamente no sentido de, antes do fim deste mandato, conseguirem vender o que é de todos nós e dessa forma possam gerar uns dinheirinhos para fazer umas “flores”, e não para gerar o desenvolvimento necessário ao concelho.

Os argumentos para a concessão/privatização desta equipa, responsável por 19 anos de desgoverno e mais de 40 milhões de euros de Dívida, são completamente falaciosos e aqui apresento a minha perspectiva sobre alguns deles.

Uma das razões apontadas por Jorge Barroso tem a ver com a possibilidade de ser o Governo a vir a fazer essa privatização e, passo a citar, “ não querer que empenhem a minha vida futura”. Ou seja, Jorge Barroso usa o papão Governo como argumento, empenha ele sim a vida de actuais e futuras gerações de habitantes do concelho e esquece que foi eleito para defender os reais interesses das populações, como o aponta a Constituição Portuguesa. Jorge Barroso e o PSD decidem em “proveito próprio”, esquecem-se de defender as populações e desculpam-se com o Governo, como se este não fosse também do PSD.

Adicionalmente refere estudos e mais estudos de viabilidade, com 3 cenários, em que a concessão individual por ele escolhida garantirá 10 Milhões de euros de investimento e descidas de 40 a 50% no preço da água e saneamento. Face aos constantes aumentos destes serviços nos últimos 3 anos, com esta proposta engana os munícipes pois o privado que vier a gerir água e saneamento tem como único objectivo o lucro, lucro esse que será “pago” por todos nós com os aumentos sucessivos que acontecerão nos próximos anos, como sucedeu em todos os processos iguais a estes em Portugal e no Mundo.

Afirmou ainda Jorge Barroso em reunião de Câmara que esta concessão não iria servir para pagar dívida da autarquia. Em que ficamos Sr. Presidente? Em 9 de Setembro de 2011, em declarações ao Região de Leiria, Jorge Barroso assume que a venda destes serviços servirá para reequilibrar as contas da autarquia e pagar dívida, um ano depois já não é para isso que serve esta negociata. Mais uma vez se prova que a gestão PSD carece de estratégia e navega á vista.

A urgência em tal negócio leva o próprio máximo autarca a cair em contradições constantes. Um exemplo disso reside na afirmação de que tal negócio não será assinado antes do final do mandato. Se assim é, qual a necessidade de o fazer agora? Se assim é, porque não deixar que o PSD inscreva essa intenção de privatização no projecto autárquico de 2013 e deixar que o Povo decida se a aceita?

Para que fique claro, na pior das hipóteses este contrato de venda aos privados da água e saneamento será assinado em 6 meses e antes das eleições autárquicas. Assim se mente ao Povo e se condiciona as gestões autárquicas dos próximos 30 anos. Não tenhamos dúvidas, a necessidade de venda é tão verdade como o facto de que seremos todos nós a pagar esta loucura social-democrata, com aumentos exponenciais nos preços destes serviços.

A ideia de um parceiro já definido previamente para este negócio não é descabida, principalmente se pensarmos que representantes políticos do PSD e próximos de Jorge Barroso se encontram ligados a determinados grupos empresariais com interesses também nos sistemas de água e saneamento. Não estando em causa esses grupos empresariais, esta táctica é usual neste mandato em particular, como assistimos nos famosos concursos públicos internacionais para a construção da Marina, e não serve seguramente os concidadãos do concelho, que se aprestam a breve prazo para ver aumentos ainda maiores dos preços destes serviços e por várias décadas. Esta é mais uma prova da obscuridade que explica a rapidez com que se quer realizar a negociata.

“Vamos ter água mais barata e mais investimento com esta concessão”, “ eu tenho de defender a população”, “ eu defendo hoje a gestão pública da água” são pérolas saídas da boca de Jorge Barroso, ainda que a sua acção neste processo vá contra tais afirmações. Como resposta a estas, afirmo-me a minha total oposição a esta concessão/privatização e reitero que o PS Nazaré a que presido tudo fará para evitar mais este erro de Jorge Barroso e do PSD.

No essencial reafirmo que se pretende privatizar serviços que dão já hoje lucro, face aos aumentos dos últimos anos, serviços que pagam hoje em dia uma parte enorme das despesas da CM Nazaré e que se tornam na grande receita que a autarquia tem. A água e saneamento têm servido para isto mesmo e naturalmente não chegarão para tudo, nomeadamente para o investimento na rede. Agora não se pode colmatar os sucessivos erros de 19 anos com mais um erro, erro esse que não será pago pelos actuais autarcas do PSD e outros, mas sim por todos nós.

Portanto assuma-se e coloque as verdadeiras cartas na mesa pois é já tempo de assumir o falhanço da sua governação e assumir que o concelho ficará bem melhor sem si. A fim de que o concelho possa sobreviver.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.