Q

Previsão do tempo

13° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 19° C
13° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 23° C
12° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 23° C

Funcionária suspeita de ficar com dinheiro de taxas moderadoras vai ser julgada em Leiria

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Uma funcionária da Câmara de Alcobaça, acusada dos crimes de peculato e de recebimento indevido de vantagem, em concurso aparente com tráfico de influência, por alegadamente se ter apropriado de taxas moderadoras, vai ser julgada em Leiria. O Ministério Público pede que a arguida, que trabalhava no serviço de atendimento complementar da Nazaré, seja condenada […]

Uma funcionária da Câmara de Alcobaça, acusada dos crimes de peculato e de recebimento indevido de vantagem, em concurso aparente com tráfico de influência, por alegadamente se ter apropriado de taxas moderadoras, vai ser julgada em Leiria.

O Ministério Público pede que a arguida, que trabalhava no serviço de atendimento complementar da Nazaré, seja condenada na pena acessória de proibição do exercício de funções públicas e ao pagamento de 412,40 euros ao Estado, “correspondente ao valor da apropriação” que aquela “não restituiu e que não foi possível apreender”.

Ainda no despacho de acusação, o Ministério Público expõe que a arguida, assistente técnica de 48 anos, estava em regime de mobilidade interna no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte, que integra aquele serviço de atendimento, incumbida do “atendimento ao público, incluindo o recebimento de taxas moderadoras”.

O Ministério Público adiantou que, a partir de data não apurada, de julho de 2019, a funcionária decidiu “não entregar/depositar as quantias em numerário que recebesse a título de taxas moderadoras”.

Apesar de a situação ter sido detetada no mês seguinte e de ter sido interpelada por diversas vezes, aquela apenas restituiu 51,50 euros, tendo, em novembro, sido determinada a abertura de um processo de inquérito, no decurso do qual aquela devolveu mais 249,90 euros.

“Assim, relativamente ao serviço prestado no atendimento complementar da Nazaré, a arguida apoderou-se do montante global de 713,80 euros, do qual nunca restituiu a quantia global de 412,40 euros”, valores recebidos entre julho e dezembro de 2019, precisou o Ministério Público.

O processo de inquérito deu origem a processo disciplinar, com aplicação de suspensão por 20 dias, e, em junho de 2020, a trabalhadora reiniciou funções na Câmara de Alcobaça.

O julgamento, por um coletivo de juízes do Tribunal Judicial de Leiria, está previsto iniciar em 20 de outubro.

Fonte: Lusa

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Encerramento do Ascensor desespera comerciantes

Os comerciantes com negócios junto ao Ascensor falam em dificuldades financeiras devido à paragem do transporte há vários meses devido à realização das obras de sustentação das arribas por parte da Agência Portuguesa do Ambiente [APA]. A obra tinha o prazo de...

ascensor

CDU questiona executivo da Câmara sobre o destino de pescado fresco

A CDU exigiu esclarecimentos sobre o destino dado a uma quantidade elevada de pescado fresco adquirido pela Câmara Municipal alegando destinar-se às cantinas escolares. “Recebemos informações de que o Presidente da Câmara Municipal da Nazaré, Walter Chicharro, pode...

joao delgado