Q

Previsão do tempo

16° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 15° C
  • Saturday 15° C
16° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 16° C
15° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 16° C

Espaço Jovem

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Entrámos em 2022, o suposto ano em que a pandemia acabaria, e a luta contra o vilão que nos assombra há dois anos daria tréguas. É hora de nos focarmos em todos os problemas, lutas e questões que a COVID-19 encobriu. A discussão central prendeu-se à volta do setor da saúde e das perdas no […]

Entrámos em 2022, o suposto ano em que a pandemia acabaria, e a luta contra o vilão que nos assombra há dois anos daria tréguas. É hora de nos focarmos em todos os problemas, lutas e questões que a COVID-19 encobriu.

A discussão central prendeu-se à volta do setor da saúde e das perdas no setor económico onde se evidenciaram a escassez de recursos materiais e sobretudo humanos no SNS e nas dificuldades em que alguns setores chaves na nossa economia encontraram, nomeadamente, o setor industrial e o turístico.

Durante este período, esquecemos a questão humana e as suas relações, o que nos leva a questionar: E as pessoas, como ficaram?

As pessoas ficaram para segundo plano, e assistimos a um conjunto de acontecimentos que nada valorizam o ser humano e, que no fundo, nos envergonham e trazem alguma deceção enquanto sociedade.

Exemplos como, a morte de Bruno Candé, a morte da pequena Valentina, vítima de um sistema de proteção social que falhou, as 36 mulheres que morreram às mãos dos seus maridos, namorados e ex-namorados (um nome que me salta à mente e à alma, a Beatriz Lebre, estudante na mesma faculdade que eu) mortos e agredidos porque dizem “não”.

E agora, o que fazemos? Fazemos e teremos que fazer tudo! É a nossa obrigação, enquanto cidadãos denunciar e lutar todos os dias contra o racismo; proteger crianças indefesas, mesmo dos seus pais; acabar com a frase feita de “entre marido e mulher não se mete a colher”; mete-se sim, a colher, o garfo, a polícia e tudo ao barulho.

  É claro que enquanto cidadãos individuais, o nosso papel pode ser visto como menor, contudo, existem políticas que terão de ser ajustadas às necessidades do nosso país. E é por isto, que este mês de Janeiro é fulcral, somos novamente chamados às urnas para exercer o nosso dever e direito de voto, para que sejamos ouvidos enquanto sociedade e que as políticas se adequem para vermos o fim das múltiplas injustiças sociais ainda existentes.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Espaço Jovem

Eleições feitas, é altura de lançarmos desafios à comunidade. Iniciámos esta nossa caminhada enquanto estrutura política jovem no concelho com um desafio ao jornal Região da Nazaré, para quem endereçamos os nossos agradecimentos por terem acolhido a nossa ideia e começarmos hoje um novo ciclo para a comunidade jovem no concelho da Nazaré.

pedro marques

O ADEUS a CARLOS FALAXO

O Jornal Região da Nazaré está de luto. Connosco, estão de luto todos os colegas, amigos, e familiares do ‘nosso’ Falaxo. Perdemos um colaborador que tinha o dom de espalhar poesia ao seu redor.

30840 624e3e8e 0220 4d5d 898f f72657760803 img002 pb

O PRESIDENTE DE TODOS OS PORTUGUESES

O homem sabe-a toda. Ao princípio, confesso, conseguiu suscitar-me muitas dúvidas. Pelo pouco que conhecia dele pessoalmente, pelo muito que intuía e desconfiava. Estou, agora, a começar a mudar de opinião. Talvez tivesse sido demasiado precipitado ou demasiado impulsivo, não sei. A verdade é que o homem tem-me surpreendido. E, apesar de a confiança ainda ser débil, começo a acreditar que talvez não houvesse razões para as minhas incertezas e receios.