Q

Previsão do tempo

15° C
  • Tuesday 17° C
  • Wednesday 19° C
  • Thursday 18° C
16° C
  • Tuesday 18° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 19° C
15° C
  • Tuesday 17° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 19° C
Eu Pescador me Confesso

O REGRESSO DOS DINOSSAUROS

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Câmara da Nazaré é a quarta, no país, com o maior prazo de pagamento a fornecedores. Em relação à sua dimensão, é a segunda mais endividada e, também, a segunda com menos liquidez. Apesar disso, vá-se lá saber porquê, continua a ser uma autarquia apetecível. Basta verificar a quantidade imensa de candidatos às próximas eleições do dia 29 de Setembro.

Estas considerações prévias dão que pensar nos verdadeiros motivos que fazem toda esta gente movimentar-se. Protagonismo, afirmação pessoal, jogo de interesses ou vontade de servir. Por tudo aquilo que conhecemos da generalidade das autarquias do país, creio que este último é aquele que menos corresponde à realidade. Veja-se a voracidade com que alguns candidatos contornam a lei de limitação de mandatos e institucionalizam o cargo como profissão.

Há quem diga que não permitir a candidatura noutro concelho é um atentado às liberdades individuais. Talvez seja. Admito até que o Tribunal Constitucional tenha razão quando permite as recandidaturas. Mas a aplicação desta lei é uma demonstração da inutilidade de muita legislação aprovada na Assembleia da República. E significa que o facto de os deputados parirem uma lei que não legisla coisa nenhuma é uma aberração.

Tornar vitalício um cargo que tem por finalidade servir os cidadãos, em funções específicas e durante um período limitado, é o primeiro passo para criar insubstituíveis. E os insubstituíveis são os grandes angariadores de clientelas e alimentadores de interesses que, mais cedo ou mais tarde, hão-de traduzir-se no endividamento das autarquias. Vícios privados, públicas virtudes…

Decididamente, não gosto destes excessos de altruísmo e dedicação à causa pública. Principalmente quando eles resultam no prejuízo dos munícipes, com o agravamento de taxas e impostos. Como diz a sabedoria popular: “Quando é grande a esmola o pobrezinho desconfia.”

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.