Q

Previsão do tempo

14° C
  • Wednesday 17° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 25° C
15° C
  • Wednesday 18° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 29° C
11° C
  • Wednesday 16° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 28° C

Uma escolha clara

João Paulo Pedrosa - Deputado PS

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O governo de Passos Coelho acaba de anunciar que vai cortar mais de 10% nas pensões dos reformados e despedir milhares e milhares de funcionários públicos, incluindo muitos funcionário das câmaras municipais. A Nazaré é um concelho que sente bem na pele as políticas gravosas deste governo.

São os cortes nas pensões, são a diminuição das prestações socias e foi o aumento do IVA da restauração para 23% , o que numa terra tão turística como a Nazaré, não deixa de ser uma grande afronta à população da praia mais bonita de Portugal. Enquanto deputado do PS tenho-me batido pelas propostas do Secretário-Geral do PS, António José Seguro, que são o oposto de tudo isto e que muito ajudariam a população da Nazaré.

Na Nazaré a câmara do PSD levou o município à falência. Sem dinheiro para honrar os compromissos, a atual maioria viu-se obrigada a pedir um resgate financeiro que custará muito aos nazarenos. Este resgate obrigou a câmara a aumentar todos os serviços prestados (taxas, tarifas e impostos) que nalguns casos são mais de o dobro de outras câmaras aqui bem próximas.

No próximo dia 29 de Setembro realizam-se eleições para as autarquias locais e, à semelhança de muitos concelhos por esse país fora, apesar de haver muitas candidaturas (na Nazaré há até um record de oito candidaturas à câmara municipal), a verdade é que apenas duas têm condições de vencer as eleições por muito respeito que todos mereçam.

Assim, será presidente da câmara da Nazaré Walter Chicharro, do PS, que tem lutado contra a privatização da água e que pugna por políticas a favor do emprego e do turismo ou será Miguel Sousinha, o candidato do PSD de Passos Coelho que tem levado o país à ruina, e também candidato das políticas que levaram a câmara à falência e hoje obrigam os nazarenos a sacrifícios inaceitáveis. Portanto, a escolha que se coloca aos nazarenos é simples e clara. Walter Chicharro é o único candidato que não está comprometido com esta gestão camarária ruinosa, não esteve na câmara, não foi vereador a receber remuneração, nem assessor, nem adjunto, nem presidente de nenhuma empresa municipal, como nazareno nunca recebeu nada da câmara, nem foi responsável pelas políticas que a levaram à falência.

No dia 29 de Setembro se os nazarenos votarem no PS estão a eleger um presidente dedicado, competente e empenhado na defesa da sua terra, mas estão também a votar contra as políticas deste governo, políticas de austeridade, políticas contra as pessoas que até ao fim do ano vão cortar as pensões aos reformados, vão despedir dezenas de funcionários da câmara municipal e não vão baixar o IVA da restauração que tão importante seria para ajudar a economia nazarena. É preciso por isso votar contra estas políticas do PSD no governo e na câmara municipal reforçando a votação no Partido Socialista.

Enquanto deputado eleito pelo distrito de Leiria continuarei a apoiar os nazarenos, seja na defesa do centro de saúde, da baixa do IVA da restauração, da zona industrial do Valado ou da Casa Museu Mário Botas, como o tenho vindo a fazer. Por tudo isto, é urgente derrotar o PSD e mudar de políticas, só com o PS pode voltar a haver esperança. E isso é fundamental nos dias que correm.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.