Q

Previsão do tempo

18° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 23° C
18° C
  • Tuesday 25° C
  • Wednesday 30° C
  • Thursday 26° C
18° C
  • Tuesday 26° C
  • Wednesday 30° C
  • Thursday 27° C
EU PESCADOR ME CONFESSO

“PATCHWORK”

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Da primeira vez que foram pedidos sacrifícios, os portugueses surpreenderam-se. Tinham-lhes prometido benesses e, em troca, estavam a dar-lhes penalizações. No entanto, aceitaram a justificação de que esses sacrifícios eram para tapar buracos orçamentais. Resignaram-se, visto tratar-se de uma boa causa. E ficaram convencidos de que, tapados os buracos com os seus sacrifícios, tudo passaria a funcionar conforme o prometido. O Governo analisou, quantificou, fez as contas e avançou…

Da segunda vez que foram pedidos sacrifícios, mais sacrifícios, os portugueses desconfiaram. Tinha havido erro nos cálculos e as previsões tinham falhado, disse o Governo. Estranhamente, acrescentaram com ingenuidade, os buracos aumentaram em lugar de serem tapados. Prometeram, desta vez, resolver o problema e tornar o futuro próspero. Os portugueses, a muito custo, acreditaram…

Das vezes seguintes em que foram pedidos ainda mais sacrifícios, os portugueses revoltaram-se. Porque perceberam que o aumento dos buracos orçamentais se destinava a engolir, apenas e só, os seus sacrifícios. E perceberam, também, que a única coisa que os seus sacrifícios tapavam era a incompetência do Governo. Não há paciência que aguente…

O Governo é, de facto, um buraco insaciável. Sem qualquer réstia de sensibilidade, porque suga sem contemplações o sangue dos mais fracos, dos mais expostos e dos mais indefesos. Com justificações tolas, mentirosas e injustas. Que não resolve nenhum problema mas que os agrava todos. Que esbanja o nosso dinheiro com assessores, consultores e parcerias, e cedências aos grandes interesses nacionais e internacionais.

O Governo que temos é uma manta de retalhos, cujas políticas de austeridade aumentaram significativamente a dívida pública. Nestes dois anos de exercício, destruiu a economia e a sustentabilidade do Estado social. Quer fomentando a emigração (principalmente dos jovens qualificados) quer dificultando a fixação de imigrantes. Durante este período de governação a crise agravou-se e o Governo falhou na resposta aos problemas sociais por ela gerados. Os seus erros grosseiros provocaram milhares de vítimas. Pessoas que perderam o trabalho, as poupanças, os negócios, a habitação bem como o direito à saúde, à educação e à alimentação, sendo condenadas à caridade, à emigração, à fome e à miséria.

No entanto, houve quem lucrasse com o nosso incomportável endividamento, com o encerramento de milhares de empresas, com a flexibilização das leis laborais, com a degradação das condições de vida dos portugueses, com as ameaças de extorsão e a consequente fuga de capitais. A Alemanha e os países do norte da Europa, deixaram de ter as nossas empresas no mercado concorrencial, viram a mão-de-obra barata tornar-lhes os investimentos mais apetecíveis e passaram a financiar-se a juros nulos ou até negativos. Por isso é que as suas economias são sólidas, ao contrário da nossa que se vai tornando irrecuperável.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.