Q

Previsão do tempo

13° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 19° C
14° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 23° C
14° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 23° C
EU PESCADOR ME CONFESSO

OS POIARES TAMBÉM CAEM DE MADUROS

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O guarda Poiares estava feliz na sua nova profissão. Ter arranjado emprego na PSP era o concretizar de um sonho antigo. Com ele acrescia a oportunidade de vestir aquela farda, o que o deixava orgulhoso e confiante.

Depois de vários anos a penar pelo estrangeiro, tinha tomado a decisão de regressar. Um amigo informou-o da abertura do concurso de ingresso e ele candidatou-se. E em boa hora o fez porque, de imediato, lhe apareceu esta ocasião rara de emprego. Foi seleccionado, fez um curso rápido na escola de polícia e ficou aprovado.

Colocaram-no na esquadra do Bairro Alto, certamente devido aos bons resultados obtidos nos testes e nas entrevistas. A colocação imediata e logo na capital não era para qualquer um. Mostrava que as chefias tinham reconhecido as suas qualidades e acreditavam no seu desempenho.

Marcaram-lhe o primeiro serviço na Assembleia da República. Iria para as galerias, vigiar o público, o que não é tarefa fácil. Tomou isso como uma distinção e um sinal de apreço. Ficou envaidecido mas convicto de que saberia corresponder a tamanha honra.

Ao princípio tudo parecia correr-lhe de feição. As pessoas ouviam, com atenção e em silêncio, as intervenções dos deputados. O ambiente nas galerias era tranquilo e expectante. Até que, em determinado momento, quando o 1º ministro se preparava para falar, houve um grupo que se levantou e começou a cantar. Ele conhecia bem aquela música e até se sentiu tentado a fazer coro com eles. Mas foi então que a senhora presidenta, apontando na sua direcção, deu aquela ordem estranha. “Façam o favor de evacuar as galerias!”

Sem perceber a razão de tão singular pedido, hesitou por uns momentos. Durante os anos em que esteve no estrangeiro devia-lhe ter escapado alguma coisa. No entanto, nunca deixou de cumprir uma ordem, por mais bizarra que ela fosse. Contrariado, desapertou o cinto, arreou as calças e começou a executar o que lhe tinha sido ordenado.

Ainda hoje não conseguiu entender porque razão foi expulso da PSP. A vida tem destas coisas e a língua portuguesa é muito traiçoeira…

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Cinco missões para um Portugal Inteiro

No ano em que celebramos o cinquentenário do 25 de Abril, é com orgulho e humildade que nos dirigimos ao povo português para partilhar de forma clara e firme a visão que temos para Portugal, os objetivos que perseguiremos e as medidas que implementaremos. Com...

Canil municipal na Nazaré sem capacidade para mais animais

O canil municipal na Nazaré atingiu o limite da sua capacidade de acolhimento de animais e recebe diariamente apelos para a recolha de ninhadas ou de canídeos encontrados a deambular pelo concelho, com sinais de desorientação. Segundo o grupo de voluntários que...

canil 1