Q

Previsão do tempo

11° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C
  • Sunday 13° C
11° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
11° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
EU PESCADOR ME CONFESSO

EL-REI PASMADO

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Cavaco prometeu-nos uma magistratura activa neste segundo mandato, só não disse que essa actividade se ia manifestar em passeatas, em visitas temáticas ou em reuniões clandestinas. O seu apoio incondicional à legitimidade deste Governo é um acto de oportunismo político e uma fuga às responsabilidades. É, também, uma redoma de conveniência e covardia a que ele pomposamente chama prudência, sensatez e recato.

Cavaco prometeu, mas eu nunca acreditei. Por isso é que não votei nele, nem agora nem em eleições anteriores. Porque nunca me inspirou confiança. Nem ele nem a sua roda de amigos, esse bando de honrados cidadãos fugidos à justiça. Os Oliveira e Costa, os Dias Loureiro, os Isaltino de Morais, os Duarte Lima e todos, todos os outros a quem ele retribui favores com confiança política.

Cavaco é um Presidente fujão. Que se esconde ou que se ausenta sempre que é necessária a sua intervenção. Que se volatiliza e emudece, nos momentos difíceis da vida do país, para não se comprometer nem ter de assumir as suas responsabilidades. Não é um Presidente, é uma múmia senil na linha do triste Américo Tomás. Uma figura de cera do museu da Madame Tussauds instalado em Belém. Que se refugia no silêncio dos salões do Palácio ou se escapa para o estrangeiro, a gozar as mordomias da presidência.

Há dezenas de anos que vive à nossa custa. Quer como político quer como professor universitário quer como funcionário do Banco de Portugal. As reformas que recebe pelo exercício virtual desses cargos, alguns com recurso ao dom da ubiquidade, permitem-lhe uma vidinha prazenteira e tranquila. É um maganão e uma fraude política.

Os seus discursos ora são vingativos e raivosos ora coniventes e evasivos, de acordo com as suas conveniências. Em qualquer dos casos baba-se e, ao fazê-lo, deixa transparecer as suas verdadeiras intenções. Destila veneno ou melaço, conforme fala de opositores ou correligionários. Essa incoerência faz dele o Presidente com menor índice de popularidade da história da democracia. E por isso e só por isso já devia ter tirado as devidas ilações.

Se não queria ser o Presidente de todos os portugueses, porque nos obrigou a suportá-lo durante dois mandatos consecutivos?

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Cinco missões para um Portugal Inteiro

No ano em que celebramos o cinquentenário do 25 de Abril, é com orgulho e humildade que nos dirigimos ao povo português para partilhar de forma clara e firme a visão que temos para Portugal, os objetivos que perseguiremos e as medidas que implementaremos. Com...

Canil municipal na Nazaré sem capacidade para mais animais

O canil municipal na Nazaré atingiu o limite da sua capacidade de acolhimento de animais e recebe diariamente apelos para a recolha de ninhadas ou de canídeos encontrados a deambular pelo concelho, com sinais de desorientação. Segundo o grupo de voluntários que...

canil 1