Q

Previsão do tempo

24° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 25° C
  • Saturday 25° C
24° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 30° C
  • Saturday 29° C
24° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 30° C
  • Saturday 30° C
EU PESCADOR ME CONFESSO

EL-REI PASMADO

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Cavaco prometeu-nos uma magistratura activa neste segundo mandato, só não disse que essa actividade se ia manifestar em passeatas, em visitas temáticas ou em reuniões clandestinas. O seu apoio incondicional à legitimidade deste Governo é um acto de oportunismo político e uma fuga às responsabilidades. É, também, uma redoma de conveniência e covardia a que ele pomposamente chama prudência, sensatez e recato.

Cavaco prometeu, mas eu nunca acreditei. Por isso é que não votei nele, nem agora nem em eleições anteriores. Porque nunca me inspirou confiança. Nem ele nem a sua roda de amigos, esse bando de honrados cidadãos fugidos à justiça. Os Oliveira e Costa, os Dias Loureiro, os Isaltino de Morais, os Duarte Lima e todos, todos os outros a quem ele retribui favores com confiança política.

Cavaco é um Presidente fujão. Que se esconde ou que se ausenta sempre que é necessária a sua intervenção. Que se volatiliza e emudece, nos momentos difíceis da vida do país, para não se comprometer nem ter de assumir as suas responsabilidades. Não é um Presidente, é uma múmia senil na linha do triste Américo Tomás. Uma figura de cera do museu da Madame Tussauds instalado em Belém. Que se refugia no silêncio dos salões do Palácio ou se escapa para o estrangeiro, a gozar as mordomias da presidência.

Há dezenas de anos que vive à nossa custa. Quer como político quer como professor universitário quer como funcionário do Banco de Portugal. As reformas que recebe pelo exercício virtual desses cargos, alguns com recurso ao dom da ubiquidade, permitem-lhe uma vidinha prazenteira e tranquila. É um maganão e uma fraude política.

Os seus discursos ora são vingativos e raivosos ora coniventes e evasivos, de acordo com as suas conveniências. Em qualquer dos casos baba-se e, ao fazê-lo, deixa transparecer as suas verdadeiras intenções. Destila veneno ou melaço, conforme fala de opositores ou correligionários. Essa incoerência faz dele o Presidente com menor índice de popularidade da história da democracia. E por isso e só por isso já devia ter tirado as devidas ilações.

Se não queria ser o Presidente de todos os portugueses, porque nos obrigou a suportá-lo durante dois mandatos consecutivos?

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.