Q

Previsão do tempo

18° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 28° C
19° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 25° C
  • Saturday 32° C
19° C
  • Thursday 21° C
  • Friday 27° C
  • Saturday 32° C
Editorial

AS PALAVRAS QUE FICAM POR DIZER

Clara Bernardino

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Diz-se que os atos são sempre mais importantes que as palavras. E, assim é, de facto. O silêncio acompanhado pela nossa presença podem transmitir conforto, solidariedade, preocupação, carinho e tantos outros sentimentos que, muitas vezes, não precisam de ser nomeados para serem sentidos e compreendidos.

Gastamos a vida a pronunciar palavras de amargura, a mostrar as nossas contrariedades, a utilizá-las para magoar os outros em situação de conflito, e, quantas vezes dizemos às pessoas de quem gostamos o quanto são importantes para nós?

As crianças dizem muitas vezes ao dia “mãe, gosto muito de ti!”, “Pai, tu és o meu herói!” e tantas outras coisas que enchem de alegria o coração dos pais e das mães… Quando crescem, deixam de dizer essas palavras com frequência e até passam a ter vergonha de dar um beijo ao pai ou à mãe à porta da escola, não vão os amigos pensar que eles são “meninos da mamã” e lá se vai a imagem cultivada à base de umas quantas traquinices e muitas rebeldias.

Hoje, não é diferente de antes. O processo de calar os sentimentos faz parte do crescimento. Um dia substituem-se as palavras por ações. Mas essas, com o tempo, também se vão desgastando e as presenças transformam-se em ausências, mas continuamos a pensar que aqueles que amamos deveriam saber que os amámos e que os amamos, apesar de não o dizermos e de também não estarmos presentes.

As maiores lições não se aprendem nos bancos da escola. É a vida que as dá, gratuitamente, sem hora marcada. Quando a vida envia a sua professora mais austera, a morte, vemos a nossa vida passar-nos à frente como se fosse um filme e percebemos que devíamos ter estado presentes mais vezes, devíamos ter dito mais vezes que gostávamos das pessoas … devíamos ter guardado a inocência da criança que um dia fomos para não termos medo de sermos magoados.

Se aqueles que mais amamos morressem daqui a uns minutos, será que teríamos tempo de dizer as vezes necessárias o quanto gostamos deles para cobrir uma vida inteira de silêncio? Talvez só pensemos nisso quando a morte nos surpreende e nos rouba a vida dos que amamos.

Quando a vida se esgota, pensamos em tudo o que queríamos ter dito e nas palavras que ficaram por dizer…

Talvez seja o momento de não atirarmos palavras uns aos outros como se fossem pedras de arremesso e reaprender a amar por palavras e ações, antes que seja tarde, antes que o tempo nos impeça de o fazer…

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.