Q

Previsão do tempo

15° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 21° C
  • Sunday 25° C
15° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 29° C
15° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 29° C
Editorial

METER A FOICE EM SEARA ALHEIA

Clara Bernardino

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Há ditados antigos que definem a natureza do ser humano. Todos nós somos excelentes conselheiros quando os problemas não são nossos. Todos sabemos analisar os problemas dos outros e dizer-lhes como deveriam fazer, pois não há emoções da nossa parte.

“Meter a foice em seara alheia” é aquilo que não só as pessoas enquanto seres individuais fazem, mas cada que cada povo tem tendência a fazer com a realidade dos outros povos. Todos nós saberíamos alvitrar opiniões sobre a situação dos países vizinhos, dos países árabes, daqueles que se guerreiam desde que o mundo é mundo. Enfim, todos somos bons opinadores em causa alheia.

Até alguns dias atrás, a maior parte dos portugueses nem sabia onde ficava a Venezuela no mapa das preocupações do mundo. No entanto, desde a morte do Chefe de Estado mais polémico da última década, não há ninguém que não tenha uma opinião formada sobre uma realidade que desconhece, uma política e uma forma de pensar que é alheia a este país onde a Europa acaba.

A imprensa escrita e falada foi invadida pelo “venezuelanismo” de Chávez. Um líder de esquerda tão acusado de querer protagonismo e tempo de antena nos meios de comunicação, passou, de repente a ser a abertura dos noticiários. Não deixa de ser irónico. Acusado de ditador, Chávez ficou conhecido pelo episódio caricato que envolveu o rei de Espanha a brindar o líder da ex-colónia com a pergunta ofensiva “porqué nó te callas?”. No entanto, apesar de revolucionário, o representante dos descamisados teve a fineza de não responder a tamanha grosseria proferida por sua majestade, que dedica o seu tempo a gastar o erário público de nuestros hermanos na caça ao elefante.

Comentadores, sociólogos e politólogos descobriram a Venezuela, repentinamente. Graças a quem? A Chávez e à sua forma de ver e fazer política.

Quem somos nós, tristes aprendizes da democracia para criticar a dos outros, se nem a nossa casa sabemos arrumar? Vergamo-nos à vontade da pequena ditadora da europa e somos governados por homens que não sabem pensar por si e obedecem cegamente à Troika, ao FMI, e até já nos americanizámos. Agora, também gostamos de opinar e intrometer-nos com as nossas “importantes opiniões” na vida dos outros países. Não sabemos cuidar da nossa seara, mas estamos sempre prontos a meter a foice na seara alheia. Fazendo minhas as palavras grosseiras de sua majestade, “porqué nó se callán?”

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.