Q

Previsão do tempo

18° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 20° C
19° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 21° C
21° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 20° C

Eleições democráticas ou ditaduras?

Clara Bernardino

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Quando pensamos em eleições, vem-nos logo a ideia de democracia. Mas quando pensamos em ditaduras, para além da nossa, que durou 40 anos, pensamos logo nos países da América do Sul. Há quem lhe chame terceiro mundo, devido às consequências que as longas ditaduras têm no desenvolvimento e no progresso dos países.

Pensamos em Fidel Castro, e, mais recentemente em Hugo Chavez, devido às eleições na Venezuela. Como pode um povo oprimido ter a oportunidade de votar e continuar a dar um voto de confiança ao seu opressor? Deve ser uma espécie de “Síndrome de Estocolmo”, que é como chamam os entendidos no assunto à simpatia que uma pessoa sequestrada desenvolve pelo seu sequestrador. Uma espécie de laço invisível e para quem não sofre dele, quase incompreensível.

A questão é que os mundos não se contam por ordem: não há primeiro mundo, segundo mundo. Só há a designação “terceiro mundo”, como uma espécie de estigma com muitos ditadores à mistura e povos ignorantes que se deixam enganar e comprar por falsas promessas.

Não sei se foi do degelo, do problema da camada do ozono ou se foi mesmo por causa do movimento de rotação da terra que os tais hábitos do terceiro mundo, que ninguém parece entender, estão a chegar à Europa, o velho Continente e, mais propriamente a Portugal, um país com muitos séculos de História e tradição.

Um pouco por toda a parte, agitam-se os partidos, ralham as secções locais, as distritais e até as nacionais. Ninguém quer perder um votinho que seja. Por isso, os políticos vão, nesta altura, às compras! Quanto vale o silêncio dos adversários? Não tem trabalho, para ele, para a mulher, para a filha, para a tia, a prima, o cão, o gato, o periquito? Como se pode calar a fome da ganância? É fácil: tudo se compra e tudo se vende. Afinal, parece que a chave do sucesso, por ironia, está em dar dinheiro a quem mais ralha, quase sempre só para ter um “tacho”. Sim, porque isso também deve ser um outro síndrome para o qual ainda não inventaram nome.

É por isso, que todos têm os presidentes que merecem…

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.