Q

Previsão do tempo

17° C
  • Sunday 16° C
  • Monday 15° C
  • Tuesday 13° C
17° C
  • Sunday 16° C
  • Monday 15° C
  • Tuesday 14° C
18° C
  • Sunday 14° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 13° C
EU PESCADOR ME CONFESSO

A DITADURA DISFARÇADA DE DEMOCRACIA

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A realidade é esta. Somos um país fracassado com uma economia fracassada. Apesar da austeridade e dos sacrifícios impostos a uma parte dos portugueses, o país é um monstro insaciável. Que não tem emenda, porque o Governo está profundamente empenhado neste saque dos rendimentos do trabalho.

Deixemos, por alguns momentos, o passado em paz e falemos apenas do presente. Sem nos escondermos por detrás do subterfúgio das palavras e mencionando apenas factos. Factos imputáveis exclusivamente ao actual exercício da governação. E que, portanto, não encontram no passado qualquer desculpa ou pretexto que justifique os fracassos.

Acontece que a execução orçamental, com uma derrapagem de três mil milhões de euros, tem sido péssima. Sendo a economia portuguesa aquela que, na União Europeia, mais contraiu no segundo trimestre deste ano. O que significa que o célebre e tão badalado ajustamento económico é um desastre. Em lugar de nos tornarmos mais competitivos tornamo-nos menos competitivos. Com a agravante de, na Europa, não terem baixado salários.

No último ano todos os indicadores económicos pioraram, excepto um ou outro que foi inflacionado por artificialismos. Houve um aumento brutal do desemprego, da recessão e da dívida. Mas houve, também, uma quebra acentuada nas receitas, apesar dos financiamentos, das receitas extraordinárias e das vendas das participações estratégicas do Estado.

A renegociação dos contratos com as PPP é uma intrujice pegada bem como a extinção das Fundações, dos gabinetes e dos institutos. Continuam as nomeações escandalosas de amigos e correligionários, e o favorecimento de empresas e grupos económicos da área do poder. O que não causa nenhuma surpresa, se nos lembrarmos que o ministro encarregado destes “dossiers” tem uma carreira, profissional e política, pautada por habilidades, compadrios e vigarices.

O grande problema deste Governo, mesmo quando atira as culpas para detrás das costas, é ser incompetente e pouco sério. Incompetente, por todas as metas e previsões falhadas, pelo desconhecimento da situação real do país e pela ausência de estratégias e soluções eficazes. Tendo de recorrer frequentemente a comissões, equipas técnicas e assessores. Mas é, também, pouco sério, porque não assume as suas responsabilidades, porque se submete aos grandes interesses e, finalmente, porque esbulha os mais fracos e desprotegidos de uma forma prepotente e insensível.

Apesar desta actuação desastrada do Governo, tenho a certeza de que a maioria que o apoia não vai contrariar esta política ruinosa e antidemocrática. Vai, pelo contrário, esconder-se e refugiar-se na disciplina partidária e no interesse do país(?). O que é lamentável, porque significa que os deputados se demitem das suas atribuições e compromissos. E, parafraseando Almada Negreiros: um grupo parlamentar que consente deixar-se representar por este Governo é um grupo parlamentar de charlatães e de vendidos.

Infelizmente, esta ditadura disfarçada de democracia tem como último obstáculo o actual Presidente da República. Pelo que só nos resta o consolo de podermos ler alguns desabafos no Facebook…

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.