Q

Previsão do tempo

17° C
  • Wednesday 18° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 21° C
18° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 25° C
17° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 26° C

EU PESCADOR ME CONFESSO A SICÍLIA PORTUGUESA

Armando Lopes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Tudo começou no Funchal. Apesar de existirem grandes facções noutras partes da ilha, foi no Funchal que se concentraram a maior parte das organizações mafiosas. Por isso, a cidade é considerada a mãe de todas as actividades ilícitas. Foram vários os factores que contribuíram para a radicação dessas actividades no Funchal. Desde logo porque foi aí que se localizou a sede do governo regional, sem a cumplicidade do qual nada seria possível.

O reduzido grau de desenvolvimento, o isolamento e o descrédito generalizado nas instituições do continente, levaram ao aparecimento fácil de um ditador. Foi assim que, Alberto João Jardim, tomou conta do poder, construindo um sistema autonómico próprio. Sistema esse que ignorava as leis do país e actuava de acordo com as suas próprias regras. Regras ditadas por meia dúzia de famílias dominantes que, de certa forma, substituíram o Estado.

Como cada família defendia os seus interesses, depressa se instalou a anarquia e a Madeira entrou em défice democrático. Certos homens sem escrúpulos viram aqui uma janela de oportunidade para instalarem uma ditadura e assim o fizeram. Em pouco tempo, apoderaram-se das actividades lucrativas da ilha, constituindo empresas familiares que lhes proporcionaram um enriquecimento fácil. Através da realização de obras por ajuste directo e sem qualquer espécie de controlo, rapidamente alcançaram o sucesso e construíram fortunas.

Jaime Ramos e Avelino Farinha, principalmente estes dois, com a conivência do governo regional e do partido, foram deste modo aumentando o seu poder e a sua influência. Quais senhores feudais, impuseram a sua autoridade à restante população, recorrendo frequentemente à ameaça e à violência. Por isso o seu enriquecimento fácil, com recurso a práticas fraudulentas, nunca foi denunciado pelo temor de represálias.

Na hierarquia da “Cosa Nostra” madeirense, as famílias foram-se ramificando sob a chefia de um líder, que toma as decisões mais importantes e para o qual se canalizam a maior parte das receitas apuradas. Apesar de cada família ter os seus próprios negócios e a sua independência, existem por vezes cumplicidades partilhadas em empreendimentos complementares. E assim se consolidou esse império tentacular de interesses que tem dominado o arquipélago.

A dívida oculta da Madeira – que continua a aumentar vertiginosamente – está agora a ser investigada pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). Mas as manobras ilícitas e os negócios obscuros que lhe deram origem, já desde há muito tempo que são do conhecimento público. Nós, “os cubanos”, andamos há vários anos a pagar o preço deste regabofe e desta ditadura autonómica. No entanto, a responsabilidade criminal dos governantes e dos dirigentes partidários madeirenses, continua a ser branqueada pelo Governo e pelo PSD nacionais. Prova de que, afinal, o crime compensa!

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

A Homenagem e o Reconhecimento!

ANTÓNIO TRINDADE é a prova viva de que um Homem pode fazer a diferença, lutando por causas que entende como justas, apoiando os seus e nossos concidadãos às vezes. Tem ajudado sim e, às vezes parecendo estar sozinho…não, vai contando com o apoio de Amigos e de quem...

Espaço Jovem

Há cerca de um ano, Portugal iniciou o seu processo de vacinação para a Covid-19, e com ele foi-nos também inoculada uma falsa esperança de controlo pandémico. Apesar da elevada adesão ao programa de vacinação, que culminou com quase 90% da população vacinada, verificou-se uma democratização do receio de viajar, à exceção dos meses de veraneio, perpetuando, assim, uma situação de grande fragilidade no setor. Uma das consequências mais evidentes desse fenómeno verifica-se na hotelaria, que tem vindo a perder trabalhadores e que, em parte, se deve aos sucessivos avanços e recuos no combate à pandemia, não permitindo a criação de estabilidade e planos a médio e longo prazo.