Q

Previsão do tempo

18° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 29° C
18° C
  • Wednesday 22° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 35° C
18° C
  • Wednesday 23° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 33° C

O Problema da Verdade

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Valdemar RodriguesProf. UniversitárioPouco tem a natureza humana de mais inquietante do que a ideia da verdade, essa ideia-lume que funde a ciência com a fé numa espécie de clarão intemporal e vertiginoso. Desde a alvorada dos tempos modernos, poucas coisas estimularam tanto os homens quanto a procura da verdade, a descoberta dos segredos do universo, […]

Valdemar RodriguesProf. UniversitárioPouco tem a natureza humana de mais inquietante do que a ideia da verdade, essa ideia-lume que funde a ciência com a fé numa espécie de clarão intemporal e vertiginoso. Desde a alvorada dos tempos modernos, poucas coisas estimularam tanto os homens quanto a procura da verdade, a descoberta dos segredos do universo, a decifração das leis a que estaríamos por natureza submetidos. Dessa moderna procura foram-se progressivamente excluindo as ancestrais perguntas sobre os fins; foi-se perdendo de vista o tronco do problema, e foi-se esquecendo a própria natureza do ser que procura, que no caso do amor Camões vaticinava poder transformar-se na coisa procurada. O que levaria no caso presente alguém um dia a poder dizer “A verdade sou eu”, como só Deus poderia dizer de si mesmo.

Tão temida como desejada, a verdade é fonte de ancestrais arrepios. Os liberais, por exemplo, viram na procura da “verdade absoluta” uma ameaça perigosa que podia levar ao autoritarismo e até ao totalitarismo. Para os crentes de muitos credos a verdade é algo de transcendente, sendo levada a coincidir com Deus e com a Palavra divina. Os cristãos, para quem a gula é pior vício do que a mentira, tendem a relativizar as “verdades humanas”, tão frágeis quanto passageiras. E pior do que tudo: fomentadoras de ódios. Mas outros há, como Nietzsche, que relativizam a verdade e tentam, às vezes sem o perceber, impor como verdade absoluta o facto de a verdade ser sempre relativa, o que não deixa de ser curioso. Perigoso também quando, admitindo que a verdade inexiste ou se multiplica, passamos a acreditar que tudo o que dissermos pode vir um dia a tornar-se verdade.Escreveu-se e disse-se um mar de coisas sobre a verdade. Que ela dói, pois tal como as roseiras possui espinhos; que é virtuosa e filha legítima do tempo, não da autoridade; que é imutável e perpétua, e sempre a mesma em todas as suas partes. Que pode ser combatida mas não vencida; que é manca, mas chega sempre a tempo; ou que é como o azeite, que vem sempre à tona d’água. Mas, talvez mais importante do que a substância ou o significado último da verdade, o que nos leva invariavelmente ao campo das teorias, seja perceber-se que sempre existiram homens interessados em manipulá-la a seu jeito. O problema da verdade é quando a verdade se contorce e se vira contra eles como um cão enfurecido com o dono. A verdade não é sempre boa amiga ou sequer boa companheira. O homem moderno, exteriorizado e sem mundo, despejado na tela para consumo instantâneo; aquele homem espectral sonhado no aconchego de uma bela estória, criado como obra de arte apenas para ser admirado, é como se morresse de cada vez que a tela se perturba, de cada vez que alguém tosse ou espirra fazendo com que a beleza num instante se esvaia, contaminada de realidade. Há que compreender esta terrível sina do homem-plástico que o afasta constantemente da razão. Eis porque é prudente não nos desabituarmos demasiado do contacto com a realidade que é, embora doa. Mas também prudente evitarmos a flagelação. As paixões corrompem a verdade, forçando-a mais tarde ou mais cedo à representação. Eis o eterno dilema da História: escolher entre magoar e ser-se confortável. As almas incomoda-as terem de se deter para um julgamento. É sempre tentador adiá-lo. Esperar que o tempo perdoe ou esqueça. É normal e é humano que assim aconteça. Atiçar demasiado as almas é atiçar a Besta que há nelas levando-a a revelar-se em toda a sua crueldade. Mas isentar as almas do julgamento pela razão é supor que são perfeitas as suas imperfeições. O erro paira em ambos os lados. Saibamos ao menos aceitar isto.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Detidos em flagrante dois jovens enquanto furtavam uma casa na Nazaré

Dois jovens de 17 e 19 anos, do sexo masculino, foram detidos, no passado dia 6 de julho, por militares do Comando Territorial de Leiria da Guarda Nacional Republicana (GNR), por tentativa de furto no interior de uma residência, na freguesia de Famalicão, na...

GNR deteve homem por furto em residência situada em São Martinho do Porto

Um homem, de 25 anos, foi detido, no passado dia 4, pela Guarda Nacional Republicana de Alcobaça por furto em interior de residência, em São Martinho do Porto. A investigação por vários furtos em habitações, que ocorreram no concelho alcobacense, entre os dias 7 e...

Várias Barracas de Praia vandalizadas na Nazaré por adolescentes

Várias barracas de Praia da Nazaré foram vandalizadas no passado dia 5 de julho, ao inicio da noite, por grupos de jovens. A situação já é habitual, com registo de casos em anos balneares anteriores, e está a deixar os concessionários cada vez mais indignados e...

barracas