Q

Previsão do tempo

17° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 24° C
18° C
  • Monday 26° C
  • Tuesday 27° C
  • Wednesday 28° C
18° C
  • Monday 28° C
  • Tuesday 28° C
  • Wednesday 29° C

UMA QUESTÃO DE PORTUGUÊS

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Editorial 111Clara BernardinoSomos um país de poetas. Isso talvez signifique que temos um país pequenino e com muitas pessoas com criatividade e mais dom de palavra por metro quadrado. Até aqui, estamos todos de acordo. Também todos concordamos que há palavras doces que conseguem aliviar-nos as dores da alma e outras palavras que nos esbofeteiam […]

Editorial 111Clara BernardinoSomos um país de poetas. Isso talvez signifique que temos um país pequenino e com muitas pessoas com criatividade e mais dom de palavra por metro quadrado. Até aqui, estamos todos de acordo. Também todos concordamos que há palavras doces que conseguem aliviar-nos as dores da alma e outras palavras que nos esbofeteiam mais profundamente do que as chicotadas que nos dá a própria vida.Movem-se “guerras” por causa das palavras e selam-se “pazes”, igualmente, com palavras.

As palavras marcam a concórdia e também a oposição. A mesma frase, dita em tom diferente implica uma pontuação escrita diferente e, consequentemente, uma intencionalidade e um significado diferentes.Vejam-se as palavras dos políticos da nossa praça: alguns apelam à união, mas semeiam a divisão; outros defendem posições em que as palavras não deixam margem para dúvidas, mas depois de instalada a confusão, já o sentido das suas palavras não era esse, o tom também não era o que lhe atribuíram, tornando-se vítimas das palavras que disseram, mas que também não era bem o que queriam dizer…Talvez seja uma questão de Português. Mais precisamente, talvez seja um problema de interpretação de uns, e de utilização de vocabulário inadequado à transmissão das ideias pretendidas, por parte de outros. Com certeza, não será um problema exclusivo dos senhores políticos. A culpa será da nossa língua, riquíssima em sinónimos, em que uma palavra não tem só um significado ou uma intenção. O maior problema da nossa língua pode não se prender com a questão dos sinónimos, mas sim com as leituras que se podem fazer dos mesmos e com a apropriação que cada um de nós faz dos significados das palavras. Ou seja, é como se cada um de nós tivesse um dicionário próprio que vai construindo, ao longo da vida, e que pode diferir dos outros…Como dizia Fernando Pessoa, “a minha pátria é a Língua Portuguesa”… Talvez seja por isso, que o nosso chão é fértil em poetas e políticos!

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Gala 30 Anos Jornal das Caldas

A noite de hoje é de festa! Assista em direto à Gala dos 30 anos do Jornal das Caldas, a partir das 20h30.

gala 30anos jornal caldas

Farmácias da Nazaré administram gratuitamente vacinas contra a gripe

O Município da Nazaré assinou o “Protocolo de Cooperação para a Administração de Vacinas contra a Gripe – Contingente SNS” com a Associação Nacional de Farmácias e a Farminveste que, até ao final do mês de março de 2022, irá permitir a administração de um máximo de 600 vacinas. A Câmara irá suportar os custos de 600 vacinas contra a gripe sazonal, que serão administradas nas farmácias aderentes.

31976 vacina