Q

Previsão do tempo

17° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 30° C
18° C
  • Wednesday 29° C
  • Thursday 34° C
  • Friday 37° C
18° C
  • Wednesday 31° C
  • Thursday 34° C
  • Friday 37° C

“Mais moderação nas palavras”

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Lopes (à esquerda) e o seu advogado Felisberto Matos Presidente da Câmara de Óbidos ganhou causa contra jornalista alcobacense O director do jornal online “Tinta Fresca” perdeu a primeira batalha judicial que lhe foi movida por Telmo Faria presidente da autarquia obidense Carlos Barroso O director e proprietário do jornal online “Tinta Fresca”, Mário Lopes, […]
“Mais moderação nas palavras”

Lopes (à esquerda) e o seu advogado Felisberto Matos

Presidente da Câmara de Óbidos ganhou causa contra jornalista alcobacense

O director do jornal online “Tinta Fresca” perdeu a primeira batalha judicial que lhe foi movida por Telmo Faria presidente da autarquia obidense

Carlos Barroso O director e proprietário do jornal online “Tinta Fresca”, Mário Lopes, foi condenado na passada segunda-feira no Tribunal Judicial de Caldas da Rainha, por um crime de difamação agravada, a uma pena de coima de 1620 euros ou, em alternativa, ao cumprimento de 180 dias de prisão efectiva. A sentença lida pela juíza Sofia Abreu decretou ainda ao jornalista o pagamento das custas do processo e o pagamento de 1250 euros de indemnização cível, que segundo o ofendido, o presidente da Câmara Municipal de Óbidos, Telmo Faria, serão doados a uma instituição de solidariedade social do concelho. “Tem de haver mais moderação nas palavras, e informar de forma mais objectiva que não se repercuta nas pessoas visadas a nível pessoal”. Estas foram palavras da juíza Sofia Abreu que leu o acórdão do caso que opôs o jornalista Mário Lopes e o edil Telmo Faria, relacionado com o conteúdo de um editorial escrito em 2005 e dedicado aos processos de atribuição ao município obidense de um pólo da Escola de Hotelaria Turismo de Lisboa e Escola de Conservação e Restauro do Instituto Politécnico de Leiria. Ainda de acordo com a magistrada que dirigiu o julgamento que se prolongou por duas sessões, Mário Lopes utilizou “expressões de forma interrogativa” que “foram ofensivas”, colocando “em causa das decisões” do presidente da autarquia obidense e “lançando suspeitas ofensivas à honra” do autarca. Após a leitura do acórdão o defensor de Mário Lopes, Felisberto Matos, afirmou que vai recorrer desta sentença de primeira instância para o Tribunal da Relação, adiantando que “se for necessário levaremos o recurso até ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem”, argumentando que as expressões utilizadas pelo seu constituinte “são corriqueiras”, considerando ainda a condenação de Mário Lopes como “um atentado à liberdade de expressão”. “Trouxas” e “manipular” O caso teve origem no conteúdo de um editorial escrito por Mário Lopes, no qual este teceu uma série de considerandos em torno do processo de escolha de Óbidos para acolher a instalação de um pólo da Escola de Hotelaria de Turismo de Lisboa e de uma Escola de Conservação e Restauro, numa altura em que o País era governado já em regime de gestão pelo PSD, partido em cujo Conselho Nacional, Telmo Faria detinha assento. No editorial escrito por Mário Lopes em Fevereiro de 2005 e publicado na edição número 52 do portal (www.tintafresca.net) podia ler-se a dado passo de um extenso texto um conjunto de referências que serviram para o Ministério Público deduzir a acusação contra o jornalista. “Para que quer o Dr. Telmo Faria esta escola em Óbidos que só formará licenciados dentro de muitos anos? Para ter mão-de-obra barata, por via dos estudantes, para estes trabalharem de graça nesta candidatura, promovendo assim a sua carreira política? Será que o senhor presidente da Câmara de Óbidos pensa que todos são trouxas e que pode manipular toda a gente? Será que acredita que é o centro do Universo e que todos temos de trabalhar para promover a sua carreira?”, foram as expressões que levaram Mário Lopes a responder perante a Justiça. Em sede de julgamento, o jornalista apresentou, entre outras, como testemunhas, Jorge Mangorrinha, ex-vereador independente eleito pelo PSD à Câmara Municipal das Caldas que baseou o seu depoimento nas reacções do presidente da autarquia caldense, Fernando Costa, que à época também reclamava o pólo da Escola de Hotelaria e Turismo, elogiando o editorial do jornalista. Outro autarca, Rogério Raimundo, vereador da CDU na Câmara Municipal de Alcobaça, foi outra das testemunhas de defesa que considerou que o “editorial não feria a honorabilidade” de Telmo Faria, enquadrando o tema do editorial à época. Por seu lado, Basílio Martins, advogado e deputado municipal alcobacense, eleito pela CDU, foi outra das testemunhas de defesa do articulista e que foi a tribunal referir que “o editorial fazia uma boa reflexão” e que foi “aquilo que deve ser um editorial de um jornal”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

As vantagens de apostar num projeto de cozinha com ilha

Este tipo de cozinhas modernas com ilha, são cada vez mais comuns em Portugal por oferecerem uma estética interessante e serem muito mais práticas do que as cozinhas com uma disposição mais tradicional.

artigo

Apreensão de 710 quilos de pescada subdimensionada

A Unidade de Controlo Costeiro (UCC), através do Subdestacamento de Controlo Costeiro da Nazaré, no dia 10 de maio, apreendeu 710 quilos de pescada subdimensionada, na Nazaré. No âmbito de uma ação de fiscalização destinada ao controlo das regras de captura,...

pescada