Q

Previsão do tempo

17° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 20° C
18° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 21° C
19° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 20° C

SPAL admite problemas financeiros mas assegura continuidade de 260 trabalhadores

JL

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A SPAL admite que o momento financeiro que atravessa não é bom, mas garante este momento não difere do que se regista há duas décadas na fábrica.

A empresa decidiu vir a público “repor a verdade dos factos e esclarecer que os problemas financeiros se arrastam há mais de 20 anos”, tendo a aquisição da marca, em 2010, por outro grupo económico, “evitado o seu enceramento nesse ano”.

“Foram preservados os postos de trabalho e a indústria produtora de porcelana”, refere a empresa em comunicado.

Ainda no mesmo documento, a empresa esclarece que nos últimos 10 anos, mesmo num ambiente de crise económica sem precedentes, “a empresa fez conquistas e vem lutando para melhorar os seus resultados”.

A epidemia veio alterar o panorama, encerrando os mercados para onde a empresa expandia os seus negócios.

“Lamentavelmente, a conjuntura alterou-se drasticamente obrigando a empresa a fazer face a uma queda abrupta de actividade. Neste sentido aparece o recurso ao Layoff, sendo este o único apoio de que a empresa beneficiou neste momento adverso, pese embora a SPAL seja detida em 35% pelo Estado, sob gestão da PME Investimentos”, clarifica.

A SPAL admite ter encetado negociações com alguns funcionários para a sua saída “de modo a conseguir preservar os cerca de 260 trabalhadores que continuarão na empresa”.

Estes esclarecimentos surgem na sequência de um comunicado conjunto das concelhias da CDU de Alcobaça e Nazaré, emitido no final de julho, sobre a situação de ” 180 trabalhadores (num universo de 300)” que receberam a informação do prolongamento da suspensão do seu contrato de trabalho até final de agosto, “podendo esta suspensão ser prorrogada”.

Segundo os comunistas, a empresa sustenta a opção com quebras nas vendas, resultados negativos acumulados, que só em 2019 foram superiores a dois milhões de euros, e dívidas à Segurança Social e à banca.

“Entende o PCP que os trabalhadores em nada contribuíram para este cenário, nem podem ser penalizados por responsabilidades que só podem ser acercadas à administração da empresa e às consequências do surto epidémico”, é referido no comunicado.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Requalificação dos antigos Paços do Concelho da Pederneira

O projeto de requalificação do edifício da antiga câmara, na Pederneira, para onde está destinada a instalação do tribunal, foi aprovado pelo Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos de Justiça. Para Walter Chicharro, que anunciou a aprovação durante a última...

pacos do concelho