Q

Previsão do tempo

11° C
  • Sunday 15° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 16° C
11° C
  • Sunday 15° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 16° C
11° C
  • Sunday 15° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 16° C

Bloco de Esquerda defende cancelamento dos contratos de prospeção e produção de Hidrocarbonetos em Aljubarrota

Paulo Alexandre

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Bloco de Esquerda apresentou, no Parlamento, um projeto de resolução que sugere a suspensão imediatamente dos processos para a prospeção e extração de hidrocarbonetos em Alcobaça.

Em 2016 existiam 15 contratos de prospeção e produção de hidrocarbonetos ativos em território nacional, em terra e no mar, do Algarve ao Porto. Desde então, muitas autarquias, associações e movimentos ambientalistas contestaram a implementação da indústria petrolífera, apelando de diversas formas à responsabilidade ambiental e socioeconómica da Agência Portuguesa do Ambiente e do Governo, no sentido de travar este processo. Neste momento apenas as áreas denominadas Batalha(Aljubarrota) e Pombal(Bajouca) têm simultaneamente contratos ativos e trabalhos a decorrer, numa faixa litoral que se estende das Caldas da Rainha a Soure, a cargo da empresa Australis Oil&Gas.

“A instalação desta indústria em território nacional vem em contraciclo com o delineamento de políticas nacionais e internacionais para combater as alterações climáticas”, refere o BE.

Segundo o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Changes), de forma a que se cumpra o acordo de Paris e o aquecimento global não ultrapasse 1,5ºC, o mundo tem uma década para reduzir metade das emissões de CO2. Para atingir este objetivo, cerca de 80% da energia fóssil atualmente conhecida deve manter-se no subsolo. A península ibérica é cientificamente reconhecida como um dos locais europeus onde os impactos das alterações climáticas serão mais gravosos, pelo que o Governo Português deve preocupar-se em dar o exemplo, impedindo a progressão da indústria petrolífera e promovendo a transição energética para energias renováveis. Além dos impactos no sistema climático, do ponto de vista ambiental há ainda a considerar impactos diretos com incidência local, como o elevado risco de derrame, com contaminação de solos e recursos hídricos e consequente destruição de biodiversidade.

A atribuição de direitos de prospeção e produção de petróleo foi feita ao abrigo de legislação com mais de 20 anos, portanto, desatualizada, de forma obscura e não democrática. As concessões foram feitas por ajuste direto e no caso das áreas designadas Batalha e Pombal, em vésperas de eleições, não tendo havido a aplicação de qualquer metodologia participativa e consultiva à população e organizações locais.

“Além das razões ambientais e sociais para o cancelamento dos contratos suprarreferidos, acresce que os mesmos são irrisórios para Estado português do ponto de vista económico. As rendas de superfície oscilam entre 15€ e 100€ por km2 e as contrapartidas pela comercialização de petróleo e gás entre 3% e 8% das receitas líquidas”.

O Estado português só começará a receber contrapartidas depois de cobertos todos os custos de investimento suportados pela Australis Oil & Gas.

“Não há nenhuma garantia de que os lucros obtidos por esta empresa, de capitais estrangeiros, não sejam expatriados, nem que o petróleo ou gás a ser produzido venha a ser consumido em Portugal ou tenha qualquer efeito sobre o preço dos combustíveis. Trata-se, em todas as dimensões, de um mau negócio para o país”, refere, ainda, o BE.

A Australis Oil & Gas, pretende iniciar as primeiras perfurações na freguesia de Bajouca, Leiria, referente à área designada Pombal, e na freguesia de Aljubarrota, Alcobaça, na área designada Batalha, onde várias associações locais, assim como muitos órgãos autárquicos, se opuseram a este plano, apelando à preservação de recursos naturais.

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda propôs que a Assembleia da República recomende ao Governo o desencadeamento das ações necessárias ao cancelamento dos contratos relativos à prospecção e produção de hidrocarbonetos nas áreas designadas Batalha e Pombal.

“As concessões foram feitas por ajuste direto e no caso das áreas designadas Batalha e Pombal, em vésperas de eleições, não tendo havido a aplicação de qualquer metodologia participativa e consultiva à população e organizações locais”, acrescenta o BE.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Timorenses acolhidos por Alcobaça aguardam ofertas de emprego

40 migrantes de nacionalidade timorense foram alojados na Pousada da Juventude de Alfeizerão, em Alcobaça. “São na maioria jovens entre os 20 e os 30 anos, que vieram encaminhados pela Segurança Social de Leiria”, segundo o presidente da Câmara de Alcobaça,...

24ª Mostra Internacional Doces & Licores Conventuais regressa ao Mosteiro

De 17 a 20 de novembro, Alcobaça estará, uma vez mais, no mapa internacional dos eventos gastronómicos de excelência. A 24.ª edição da Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais de Alcobaça “tem como novidade o alargamento do espaço de exposição para três...

cornucopias