Q

Previsão do tempo

19° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 21° C
21° C
  • Friday 31° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 24° C
25° C
  • Friday 30° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 25° C

Nazaré defende equilíbrio conhecimento científico e as necessidades para definir as quotas de pesca

JL

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Presidente da Câmara da Nazaré, Walter Chicharro, apelou a que não só se olhe apenas para o lado científico na definição de quotas pesqueiras e TAC.

“Também tem de se olhar para o lado social”, disse o autarca relativamente à posição do Ministério do Mar, que recebeu, na passada semana, dezenas de pescadores de todo o país, que se deslocaram a Lisboa por causa dos novos limites de pesca e a falta de apoios.

O autarca defende que “é necessário olhar para os cruzeiros científicos, que apontam para o crescimento de 900% dos valores da sardinha (2018-2019) e perceber que não é razoável propor a redução ainda maior da quota da sardinha”, o que levanta preocupações “colocará o setor na possível miséria”.

Walter Chicharro reforçou a preocupação da Autarquia sobre o período de defeso da sardinha, que afeta os pescadores do cerco da Nazaré.

“Não podemos ter uma empresa parada entre 6 a 7 meses ao ano. Não há nenhuma que seja viável assim”.

Walter Chicharro fala em necessidade “equilíbrio” entre o lado científico e as empresas do setor, defendendo que “a sustentabilidade a pesca e dos recursos é fundamental”, tal como “uma resposta integrada a todos os níveis”.

Os pescadores contestam as quotas de pesca de biqueirão e sardinha, que classificam de insuficientes, e contestam os dados da Comunidade Científica, acerca do stock de biqueirão, que voltam a estar na origem da limitação dos totais admissíveis de captura (TAC).

Joaquim Zarro, responsável pela Associação de Armadores de Pesca da Nazaré, ficou “contente” com o encontro mantido com a tutela “por terem ouvido as nossas preocupações”, aguardando, agora, desenvolvimentos: “agora vamos ver, daqui para a frente, se vamos no bom caminho”.

“Aquilo que nós queremos é trabalhar mais. Nós não queremos subsídios”, disse.

O Ministro, que recebeu vários mestres de embarcações e pescadores de todo o país, explicou que “há protocolos científicos para avaliar isso e eles (os mestres) são convidados a participarem nos cruzeiros científicos e observações e discutirem os dados connosco. Há aqui diferenças de opinião, mas continuamos a ter de basear as nossas decisões no melhor conhecimento científico”.

No final, o Ministro falou em “manifestação e diálogo espontâneo” e explicou que a criação de “novas oportunidades de pesca” não pode colocar em causa a sustentabilidade dos recursos piscícolas.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Mário Cerol assumiu o Comando dos Bombeiros Voluntários da Nazaré

O novo comandante dos Bombeiros Voluntários da Nazaré tomou posse do cargo, no passado dia 25 de abril, uma cerimónia que contou com a presença da população e das entidades convidadas. Mário Cerol falou em compromisso, responsabilidade e em gratidão pelo convite...

mario cerol

Acessos à Nazaré decorados com esculturas

Bugalho Ferros, artista natural do concelho de Alcobaça, será autor de quatro esculturas que irão ser instaladas em pontos de entrada do município da Nazaré, e que têm como finalidade melhorar a imagem dos acessos com a arte e aspetos ligados à cultura local. Na...

rotunda