Q

Previsão do tempo

13° C
  • Thursday 14° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 13° C
14° C
  • Thursday 14° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 13° C
14° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 12° C

Suspeito diz que morte de empresário enterrado em Alfeizerão foi acidente

Paulo Alexandre

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O homem que terá matado um empresário das Caldas da Rainha e enterrado o seu corpo nas imediações de uma residência em Alfeizerão disse ao coletivo de juízes do Tribunal de Leiria que a morte foi um "acidente" e que teve ajuda apenas de uma das arguidas para esconder o corpo.

O Tribunal de Leiria começou a julgar duas mulheres e um homem suspeitos do homicídio e da ocultação do cadáver de um industrial das Caldas da Rainha.

De acordo com a agência Lusa, o homem disse que foi a casa da irmã, companheira da vítima, para a ajudar a empacotar os seus pertences, uma vez que ela iria sair de casa. Quando se apercebeu que a vítima terá dado droga à irmã, que se encontrava grávida, começaram a discutir.

“Ele empurrou-me, eu empurrei-o e trocámos murros e dei-lhe uma cabeçada. Ele caiu na cama, que tinha o estrado maior que colchão e terá batido aí. Já não reagiu mais”, relatou, afirmando que nunca confirmou os sinais vitais do cunhado.

O arguido disse que não sabe explicar por que não chamou o 112. “Quando saí do quarto, fui à sala a chorar e disse a elas: ‘já estraguei a minha vida’ e entrei em pânico”.

O homem relatou que, como não conseguia enrolar o corpo no cobertor, utilizou braçadeiras para prender os pés e mãos e que depois foi pedir ajuda para transportar o corpo para o veículo.

Foi a sua companheira da altura, segundo contou, que o ajudou a remover o corpo da vítima, enquanto a sua irmã se encontrava sob o efeito de cocaína.

O corpo foi deixado no porta bagagens do seu carro, na Foz do Arelho, em Caldas da Rainha. Posteriormente, terá ido buscá-lo, “sozinho”, e levou-o para uma casa arrendada. “Fiz um buraco no quintal e coloquei-o lá. Às outras duas arguidas, contou que tinha mandado o corpo para o mar, na Figueira da Foz.

No seu depoimento, a companheira da vítima também afirmou tratar-se de um “acidente”.

Embora não se lembre com exatidão do sucedido, uma vez que estava sob o efeito de produto estupefaciente, a arguida admitiu ainda ter falsificado a assinatura da vítima para vender o veículo.

A ex-companheira do acusado, também arguida deste processo, admitiu que ajudou a transportar o corpo da vítima a pedido dos outros dois.

Os três foram detidos um ano depois do desaparecimento do empresário, de 55 anos, em 2016. Estão acusados dos crimes de homicídio e de ocultação de cadáver. A uma das arguidas acrescenta dois crimes falsificação de documento e falsidade de depoimento e à outra acusada o crime de arma proibida.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Timorenses acolhidos por Alcobaça aguardam ofertas de emprego

40 migrantes de nacionalidade timorense foram alojados na Pousada da Juventude de Alfeizerão, em Alcobaça. “São na maioria jovens entre os 20 e os 30 anos, que vieram encaminhados pela Segurança Social de Leiria”, segundo o presidente da Câmara de Alcobaça,...

Um casal fez-se passar por oficiais da GNR já foi detido

Um homem com 34 anos e uma mulher de 38 anos de idade, residentes na Benedita, foram detidos pela PSP de Leiria, no passado dia 24 de outubro, pela prática dos crimes de abuso de designação, sinal ou uniforme. O casal andaria a fazer-se passar por Oficiais da GNR,...

casal

Maior rede de tráfico de droga do Oeste foi desmantelada pela GNR

O Núcleo de Investigação Criminal de Caldas da Rainha da GNR deteve quatro homens e três mulheres que ligados à “maior rede de tráfico de droga da região Oeste”, liderada por um casal de Rio Maior, numa operação em que foram apreendidos mais de cem mil euros em...

gnr