Q

Previsão do tempo

18° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 21° C
19° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 24° C
25° C
  • Wednesday 23° C
  • Thursday 24° C
  • Friday 23° C

Surdez não impede nazareno de dançar folclore

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A comunidade piscatória da Nazaré sente um carinho especial por João Valdemar, um surdo de 47 anos que é um exemplo de persistência, pois apesar da sua deficiência é dançarino num rancho folclórico, que faz questão de usar o seu exemplo para mostrar que este tipo de obstáculos não é impeditivo de uma vida ativa.

É no Grupo Etnográfico Danças e Cantares da Nazaré que João Valdemar se sente realizado. Surdo de nascença, aderiu ao rancho porque a irmã, Joana Murraças também fazia parte. “Começou por estar no grupo encarregue da etnografia e transportava o foquim [recipiente de madeira onde os pescadores levavam as suas refeições durante a faina no mar], um baú, uma rede ou outro objecto, até que um dia perguntei à irmã se ele não seria capaz de dançar”, recorda Lurdes Barqueiro, ensaiadora do rancho.

“Via um brilho nos olhos dele enquanto dançávamos e quando experimentou foi uma surpresa. Aprendeu rapidamente, integrou-se bem, é muito responsável e está sempre a perguntar quando é a próxima exibição”, indica, acrescentando que “está sempre atento aos pormenores e já chama a atenção para uma ou outra falha do grupo”.

E como é que uma pessoa que não ouve a música consegue dançar e acompanhar os restantes dançarinos? “Usamos alguns truques, como gestos [a comunicação gestual é limitada porque João Valdemar nunca aprendeu] mas sobretudo o olhar”, refere Lurdes Barqueiro, que adianta não ter receio de fazer atuações públicas, onde o surdo é apresentado nessa condição “não para o exibirmos, mas para fazermos questão de dizer que ele faz o mesmo que os outros dançarinos”.

“É claro que poderá não ter a destreza e o valsear dos outros, porque tem de estar sempre a olhar, porque não ouve, para não perder o ritmo e o compasso da dança”, reconhece.

Joana Murraças pergunta-lhe o que sente quando dança. Por gestos responde que “sente-se bem e feliz e que todos gostam dele”.

João Valdemar já participou numa peça de teatro do grupo e em breve entrará noutra. Tem também no desenho outro motivo de orgulho. O jeito herdou da família e costuma desenhar motivos nazarenos ligados à tradição piscatória e ao folclore, tendo já realizado três exposições no posto de turismo, elogiadas pela população, satisfeita pelo amor que ele sente pela sua terra.

Grupo recria tradições da vila

O Grupo Etnográfico Danças e Cantares da Nazaré, fundado a 25 de Julho de 1997, tem desenvolvido um trabalho de pesquisa do traje e da tradição oral da Nazaré, procurando através da representação mostrar os usos e costumes da vila, essencialmente entre os anos que vão de 1920 a 1940.

O património histórico local recolhido pelo grupo, que inclui um importante espólio de utensílios da época desta terra de pescadores cheia de tradições, está exposto na sua sede, no Centro Cultural da Nazaré (antiga lota).

“Há fogo no mar”, “Vira da Praia”, “Não vás ao mar Tonho”, são algumas das danças.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Encerramento do Ascensor desespera comerciantes

Os comerciantes com negócios junto ao Ascensor falam em dificuldades financeiras devido à paragem do transporte há vários meses devido à realização das obras de sustentação das arribas por parte da Agência Portuguesa do Ambiente [APA]. A obra tinha o prazo de...

ascensor

Imagem de Nossa Senhora da Nazaré regressou ao Santuário

A imagem de N.S. Nazaré regressou ao Santuário da Nossa Senhora da Nazaré, de onde apenas saiu por duas vezes na sua história, após dois anos de restauro. Desde finais de 2021 que a imagem se encontrava no Laboratório José de Figueiredo, em Lisboa, onde foi sujeita...

nsn