Q

Previsão do tempo

14° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 19° C
14° C
  • Thursday 21° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 23° C
12° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 23° C

Rainha do Carnaval é campeã nacional de poomsae

JL

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
É a rainha do carnaval da Nazaré, e dá cartas no desporto. Armanda Hilário sagrou-se, recentemente, campeã nacional de sub-40 poomsae na prova destinada aos cintos negros. A atleta do Clube de Taekwondo da Nazaré conquistou o 21.º título nacional da carreira na competição que decorreu em Ovar.

Nesta entrevista, a nossa Rainha fala-nos da sua vivência no Carnaval, e do seu contributo quase invisível em alguns dos muitos carnavais que já saíram à rua. Sobre a Comissão de Carnaval da Nazaré, Armanda Hilário enaltece o seu esforço e dedicação para levar a público uma das festas mais aguardadas do ano.

Soltas ao site “Carnaval da Nazaré”

Para mim, o carnaval é a melhor altura do ano, fico muito feliz. São os dias em que me liberto. Acima de tudo, sou eu própria. Saio de casa, gosto de andar na rua, e na brincadeira. O carnaval começa quando começo a pensar nas reuniões do grupo ou no fato que vou usar mas também na marcha. Adoro trabalhar no carro, porque faço parte de um grupo e faço questão de estar presente. Desfilar na avenida é uma das coisas que mais gosto, pois é o culminar de todo o trabalho de um mês e meio. Este ano vai ser um pouco diferente, porque estou de fora do grupo, mas acredito que irá ser uma sensação agradável e uma alegria enorme vê-los passar. Será, ao mesmo tempo, um misto de sensações.

O ano passado tivemos a experiência do desfile noturno, um pouco mais trapalhão. Foi tudo em cima do joelho mas adorei, por ser o primeiro à noite e acabou por

Ser muito divertido…

Sobre as coisas que eu gostava que fossem alteradas para não se perderem, aponto o caso das cegadas, uma coisa que nunca fiz mas que gostava de experimentar. Acompanhei os ensaios do meu pai e acompanhei-o na saída às salas. É uma pena ter cada vez menos cegadas, durante um período as pessoas começaram a ir mais aos bares e estar nos cafés e na rua. Eu também gosto mais os bailes, pois são os momentos mais importantes. Gosto muito de dançar. No ano passado houve uma melhoria nos bailes, o que é um bom sinal. Na sala que frequento desde pequena, o ambiente estava muito bom, e gostava que os bailes voltassem a ser o que eram e que essa tradição não se perca.

Gosto de tudo o que faço no carnaval: dos ensaios, de trabalhar na bonarte e de estar naquele ambiente. Para mim, há duas marchas marcantes do carnaval da Nazaré: os “mil carnavais” e “Chambres”, que ainda se ouvem bem e gosto da marcha do “palhaço” (2007).

Não estava à espera de ser convidada para rainha mas é uma honra. Gostei que se tivessem lembrado de mim para desempenhar este papel. Acompanhei o reinado do meu pai, mas agora é diferente porque assumi a responsabilidade e espero estar a altura. É importante que o nosso carnaval mantenha a qualidade. Fazemos o carnaval para nós mas também queremos agradar quem nos visita, até porque existem carnavais à nossa volta que estão a crescer.

Espero que todos se divirtam no nosso carnaval e aproveitem o máximo durante estes dias.

Entrevista a Armanda Hilário – Rainha do carnaval da Nazaré

RN- Os nazarenos podem comparar–se ao povo brasileiro na forma como vivem o Carnaval, por passarem o ano a pensar no seu Entrudo?

AH- Os nazarenos (os que vivem o Carnaval), de facto, assemelham-se um pouco ao povo brasileiro no que diz respeito ao Carnaval, essencialmente, por passarem todo o ano a pensar nele. No entanto, nós somos muito “sui generis” na forma como o vivemos: a nossa música é diferente (as Marchas), a nossa forma de dançar é diferente, a nossa forma de estar é diferente. Só quem vive o nosso Carnaval é que compreende o que se sente, é que consegue perceber o que é estar no Carnaval, o que é ser o Carnaval. Temos as nossas tradições, coisas muito nossas e que não existem em mais lado nenhum. Acredito que os brasileiros tenham também características muito próprias, mas em nada parecidas às nossas. No entanto, acredito que o sentimento que nos liga ao Carnaval seja semelhante ao deles, é de uma grande intensidade, às vezes impossível de descrever verbalmente.

RN-O São Brás marca, por tradição, o arranque do Carnaval. Qual é o valor deste evento popular para os nazarenos?

AH-Este evento (São Brás) é isso mesmo, é o arranque do Carnaval. Este ano não será bem assim, pois o arranque propriamente dito já aconteceu na passagem de ano, com a apresentação dos reis de Carnaval e da Marcha Geral, que vai alegrar o Carnaval deste ano. Ainda assim, não deixa de ser um marco bastante importante nesta época do ano – é mais uma das nossas tradições. A população junta-se, todos assam as suas carnes, cantam, dançam, e normalmente (diz a tradição) todos sobem ao monte para visitar a capela. É mais uma actividade muito nossa e que nenhum nazareno dispensa.

RN-De que edição do Carnaval nazareno guarda as melhores recordações? Pode dizer-nos por quê?

AH-Guardo muito boas recordações de todos os Carnavais, por este ou aquele motivo… No entanto, era bastante pequena, e o grupo de que os meus pais faziam parte (Grupo Carnavalesco da Nazaré) fez um carro alegórico, cujo tema era “o Casamento” – foi um dos carnavais da minha infância que mais me marcou – eu era a noiva e o noivo era o meu primo, que além de ser mais novo, era mais pequeno do que eu, logo, eu achava imensa graça ao facto de a noiva ser maior que o noivo, pois havia um fotógrafo no “casamento” que passava o tempo a mandar-nos dar beijinhos… foi muito engraçado, jamais esquecerei esse Carnaval. Mais recentemente, em 2013, o meu grupo actual (Os Animados) levou a desfile um carro – “Barquinho de papel”, orientado por grandes comandantes; esse ano também me marcou bastante, pois além de ter gostado imenso do carro, a marcha que levávamos permitiu aos elementos do grupo, criar uma pequena coreografia, que além de animar o desfile, nos acompanhou durante oi resto do Carnaval, em todo o sítio onde tocava a nossa marcha.

RN-Qual foi a reação dos amigos e familiares quando ficaram a saber que tinha sido escolhida como rainha?

AH-As primeiras e únicas pessoas a quem eu disse inicialmente foi ao meu marido e aos meus pais. Sabendo que é uma coisa que eu adoro e “sem a qual não vivo”, deram-me todo o apoio e incentivo – ficaram bastante felizes e agradados com o convite. Posteriormente, fiz questão de ser eu a contar ao meu grupo, numa pequena reunião que fizemos. Reagiram bastante bem; apesar de estarem conscientes de que não estarei fisicamente com eles, a 100% , conforme estão habituados, deram e continuam a dar-me todo o apoio e penso que estão muito felizes por mim.

RN-Quais são as caraterísticas que a rainha do Carnaval da Nazaré deve possuir (para subir ao trono)?

AH-A nossa tradição, e que portanto, já vem de há muitos anos, é que os reis de Carnaval da Nazaré sejam pessoas da terra, nazarenos, e foliões do Carnaval. Na minha opinião, essas são condições essenciais para se ser rei ou rainha do nosso Carnaval. Depois, há também as caraterísticas pessoais – ser folião, ser alegre, divertido e ter algum historial de contributo para o nosso Carnaval.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Encerramento do Ascensor desespera comerciantes

Os comerciantes com negócios junto ao Ascensor falam em dificuldades financeiras devido à paragem do transporte há vários meses devido à realização das obras de sustentação das arribas por parte da Agência Portuguesa do Ambiente [APA]. A obra tinha o prazo de...

ascensor

Imagem de Nossa Senhora da Nazaré regressou ao Santuário

A imagem de N.S. Nazaré regressou ao Santuário da Nossa Senhora da Nazaré, de onde apenas saiu por duas vezes na sua história, após dois anos de restauro. Desde finais de 2021 que a imagem se encontrava no Laboratório José de Figueiredo, em Lisboa, onde foi sujeita...

nsn