Q

Previsão do tempo

15° C
  • Wednesday 12° C
  • Thursday 13° C
  • Friday 14° C
16° C
  • Wednesday 11° C
  • Thursday 13° C
  • Friday 14° C
16° C
  • Wednesday 11° C
  • Thursday 12° C
  • Friday 14° C

Cientistas testam alertas de luz e som para proteger aves das redes de pesca

JL

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O trabalho "Capredux - Redução das Capturas Acidentais de Aves Marinhas na Zona de Proteção Especial Aveiro- Nazaré", que reúne Sociedade Portuguesa de Vida Selvagem e as universidades do Minho e de Aveiro, foi o vencedor do “InAqua – Fundo de Conservação by Oceanário de Lisboa e National Geographic Channel”.

Agora, os investigadores vão colocar 20 dispositivos, 10 de som e 10 óticos, em 40 barcos para testar o funcionamento dos sistemas e da adaptação dos mestres da embarcação.

O projeto, iniciado em 2010, parte da constatação do elevado número de aves marinhas emaranhadas nas redes de pesca, quando estas são lançadas ou levantadas do mar, provocando a sua morte, mas também prejuízos para os pescadores.

Durante os próximos dois anos, os investigadores irão “assegurar um novo tipo de ensaios com um novo tipo de metodologias de redução de capturas acidentais”, explicou à agência Lusa o coordenador do projeto, José Vingada.

De acordo com os autores do projeto, o aumento da pressão sobre o meio marinho, nomeadamente da parte das pescas, “tem resultado num incremento da mortalidade destas espécies e é preciso encontrar um ponto de equilíbrio, é preciso que haja exploração da atividade pesqueira, mas também a conservação de algumas espécies, que são fortemente ameaçadas”.

Uma das espécies que mais preocupa a comunidade científica é a pardela-balear, estimando-se que entre Nazaré e Aveiro haja “uma captura média de três a quatro aves por embarcação”, o que, no conjunto de uma população avaliada em cerca de 20 mil indivíduos, “pode colocar em risco a sobrevivência da espécie”.

“Vamos apostar em duas metodologias integradas, uma delas implica o afastamento acústico, através de um sistema que emite um conjunto de sons naturalmente feitos pelas aves marinhas, chamados sons de stress”, ou de alerta, que levam a uma resposta defensiva da parte dos pássaros, que se afastam “da zona da largada ou recolha de redes”, resumiu José Vingada, em declarações à Lusa.

A segunda metodologia também é de afastamento, mas utiliza sistemas óticos, partindo do facto de as aves serem sensíveis a feixes de luz mais ou menos intensos e à cor verde forte.

A ave, ao ver aquele feixe de luz, “acha que está ali alguma coisa estranha, perigosa e afasta-se” enquanto o pescador está a operar a rede.

Os ensaios nos 40 barcos são acompanhados por observadores do grupo de investigação, que vão recolher dados acerca da forma como é aplicada a metodologia na área Nazaré-Aveiro, classificada ao abrigo da Rede Natura 2000 para proteção de aves, e onde existe abundância de sardinha, carapau e cavala.

“Todo o trabalho que fazemos depende da cooperação dos pescadores e só com um trabalho em conjunto, na tentativa de encontrar soluções com o setor, é possível, a longo prazo, assegurar estas medidas”, declarou o cientista.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Câmara investe na Arborização do Parque da Pedralva

A empreitada de arborização de uma área de 2,52 ha do Parque da Pedralva teve início na semana passado e representa um investimento que totaliza os 81.730,45 €. O plano de arborização surge no âmbito da candidatura ao Aviso n.º 11/REACT-EU/2021 – (Re) Arborização...

pedralva