Q

Previsão do tempo

14° C
  • Wednesday 16° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 13° C
14° C
  • Wednesday 18° C
  • Thursday 17° C
  • Friday 13° C
13° C
  • Wednesday 17° C
  • Thursday 17° C
  • Friday 12° C

Câmara de Alcobaça com saldo positivo nas contas de 2014

Paulo Alexandre

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Câmara de Alcobaça fechou o Relatório de Contas de 2014 com um saldo positivo de 5,4 milhões de euros, um resultado que se repete pelo segundo ano, já que o mesmo valor foi o que fechou as contas de 2013.

Para Paulo Inácio, estes resultados confirmam que o Município está “mais preparado para o próximo Quadro Comunitário de Apoio” e assumir obrigações contratuais do passado.

“Tínhamos que fazer uma recuperação económica, mas não deixou de haver investimentos”, explicou o autarca.

O relatório foi aprovado com os votos do PSD, a abstenção do PS e CDS e o voto contra da CDU, tendo a coligação e os socialistas criticado as opções de gestão de Paulo Inácio.

“O que os senhores vereadores da oposição não percebem é que a parte do investimento é definida por lei e de acordo com os fundos disponíveis, e estes têm de ser contabilizados com os contratos em vigor, ficando o remanescente como a única verba que pode ser canalizada para investimento”, respondeu o autarca às críticas da oposição.

Paulo Inácio diz sentir “orgulho” pelo saldo positivo superior a 5 milhões que apresentou no final de 2014, o que vai permitir “assumir obrigações contratuais do passado e avançar para investimentos mais avultados no âmbito do próximo quadro comunitário de apoios”.

A análise do PS às contas da Câmara é diferente. José Canha fala em falta de investimento por parte da atual gestão (PSD), adiantando que “o plano tem que ser executado com um diferencial mínimo de 20% e não pode se empolado, como no passado. A Câmara tem um orçamento de 34 milhões de euros, teve uma realização de 85% . Em termos documentais, houve melhoria, com mais tempo para o estudo dos valores, mas o orçamento, documento fundamental de aplicação de uma estratégia, não deve ser utilizado apenas para a gestão corrente, também deve ser aplicado em investimentos considerados prioritários, o que não foi feito”.

Carlos Bonifácio, do CDSPP, reconhece que houve “recuperação efetiva em termos financeiros” e que a taxa de execução foi “elevada”, mas “muita da recuperação financeira apresentada foi feita à conta do não investimento”.

“Só que quando há desinvestimento, as infraestruturas do concelho também se vão degradando”, defende o vereador.

Vanda Marques, da CDU, destaca que “mais tempo para ler os documentos”, mas critica o incumprimento de promessas. “A promessa de resolver a dívida à Caixa, dos Centros Escolares, as propriedades da Câmara, o caso dos antigos armazéns da empresa Raimundo e Maia e a ALE da Benedita” são, ainda hoje, assuntos não resolvidos.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Troço do IC2 entre Rio Maior e Alcobaça está requalificado

A Infraestruturas de Portugal informou que foi concluída a empreitada de beneficiação do troço do IC2, com 20,3 quilómetros de extensão, entre o nó da Asseiceira, no concelho de Rio Maior, e a zona urbana de Freires, no concelho de Alcobaça. A intervenção envolveu...

Ascensor da Nazaré proposto a Monumento de Interesse Municipal

A Câmara da Nazaré irá enviar à Assembleia Municipal a proposta de classificação do Ascensor da Nazaré, incluindo toda a estrutura edificada que faz parte do complexo do Ascensor, como Monumento de Interesse Municipal. O valor patrimonial do Ascensor da Nazaré...

elevador