Q

Previsão do tempo

14° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 17° C
14° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 17° C
15° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 17° C

Estórias Nazarenas em Livro de Júlio Murraças

JL

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Júlio Murraças lançou, no passado dia 6 de fevereiro, o livro “Estórias da Nazaré”.

As estórias reunidas “são contadas num estilo literariamente livre e despretensioso. Fazem parte da Pequena História e são definidores da nossa mentalidade, bem como da memória de um tempo onde a oralidade tinha papel preponderante”, refere o autor.

Na sua maioria, as estórias refletem o lado irónico e sarcástico do humor e de um certo estar nazareno que, como os demais, têm as suas próprias especificidades. “Algumas delas presenciei-as e as outras, que me foram contadas ou lidas, se não são verdadeiras … bem o poderiam ser. Há ainda aquelas que mesmo sendo autênticas, mas com origem noutro lugar, o facto de os nazarenos as divulgarem como sendo suas, protagonizadas por um dos seus, acontece porque se identificam com elas e daí a voluntária integração no seu imaginário”.

Comum a todas é também o serem fruto de várias convivências e amizades, quer quanto ao conteúdo, quer quanto ao propósito de as registar e apresentar em livro. E é aqui que aparece o Zé Luís, José Luís Alves Pereira, nazareno por opção, ex-candidato autárquico e durante anos médico da Mútua de Pescadores, entre muitas e boas outras coisas.

Adianta o autor “Viver é pouco. Conviver é humanamente mais natural e rico, com o que tem de partilha de afetos e vivências. Dá-nos o ouvido, o lido e o visto, que a memória selecionará e guardará. Da minha, ainda adolescente, fazem parte os serões em casa de meus pais, onde a presença da minha avó paterna era a certeza de brincadeiras e risos, à volta de um inocente jogo de loto -literalmente a feijões- e pretexto para ouvirmos estórias que ao longo da sua vida foi recolhendo, por experiência própria ou alheia. Lembro:

“Uma vez uma mulher da Praia disse para o seu homem que só tinha três ovos para o jantar, dois para ela e um para a ele. Este começou a discutir por não concordar com aquela distribuição.

– Eu é que como dois porque farto-me de trabalhar!

– E eu passo os dias refastelada à frente do mar sem fazer nada, é?

Exaltaram-se e a gritaria foi subindo de tom. O homem enervou-se tanto que acabou estatelado no chão. Foi dado como morto e amortalhado na sua cama como era o costume.

Em poucos minutos toda a vila sabia da triste notícia e familiares e amigos foram aparecendo para o velório. Até o Zé Coxo, assim alcunhado desde a nascença.

A meio da noite o morto levanta-se e começa a gritar:

– Eu como dois, eu como dois!

Os presentes, aterrorizados, num ápice, com grande alarido, procuraram chegar depressa à rua. O Zé Coxo, consegue pôr-se de pé, encaixa a muleta no sovaco e foge porta fora gritando aflito:

– Ai valha-me Nossa Senhora. Eu sou um, quem será o outro?”

A apresentação do livro, que esteve a cargo de Manuel Freire, teve lugar na Tavena do T’Izelino, e contou com as intervenções do ilustrador Zé Oliveira e do autor, Júlio Murraças, e acompanhamento musical de Bino, músico nazareno.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Alcobacense Churky participa no Festival da Canção 2023

O Músico Churky, de Alcobaça, é um dos novos valores da música portuguesa que está entre os 20 autores selecionados para a edição de 2023 do festival da Canção. Há mais dois nomes do distrito de Leiria que participam, os Dankunsportif  de Peniche e  Inês...

chuky 1

Novo disco dos The Gift chega às plataformas de streaming

CORAL, o novo disco dos The Gift, editado no passado dia 14 de setembro, apenas disponível em exclusivo na App REV, já chegou a todas as plataformas de streaming. O novo trabalho de estúdio da banda de Alcobaça conta com um conceito único, no qual arriscaram a...

indice