Q

Previsão do tempo

19° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 27° C
  • Saturday 24° C
19° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 33° C
  • Saturday 29° C
20° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 33° C
  • Saturday 31° C

Serviços hospitalares no Oeste preocupam comunidade intermunicipal

Paulo Alexandre

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim) manifestou, na passada semana, preocupação pela "degradação dos serviços" hospitalares na região e criticou o ministro da Saúde por, alegadamente, ainda não se ter disponibilizado para realizar uma reunião pedida pelos autarcas desde 2012.

A “profunda preocupação com a degradação dos serviços” foi expressa num comunicado em que a OesteCim manifesta “profunda apreensão” pela reorganização do Centro Hospitalar do Oeste.

A posição agora divulgada foi aprovada por unanimidade na última reunião do Conselho Intermunicipal, considerando os autarcas que a situação tende a agravar-se, dado estar-se “em plena época balnear com uma grande afluência de pessoas à região”.

No comunicado, a OesteCim demonstra “estranheza e inquietação pelo facto de ainda não ter sido nomeado o conselho consultivo” do CHO, que deverá incluir três elementos propostos pelo conselho de administração (CA) e outros elementos eleitos pelos colaboradores do centro hospitalar.

Para a OesteCim é também incompreensível que o “Estudo da Reorganização do Centro Hospitalar do Oeste” não tenha sido enviado ao conselho intermunicipal, nem “pelo Gabinete do sr. Ministro nem pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo-IP”, não tendo os autarcas “conhecimento do seu conteúdo”.

O Estudo de Reorganização do CHO foi iniciado após o Governo ter decidido juntar os hospitais de Torres Vedras, Caldas da Rainha, Peniche e Alcobaça num único centro hospitalar.

A fusão pretendia acabar com a duplicação de serviços de saúde entre hospitais e rentabilizar recursos através da concentração em Torres Vedras da ortopedia e da cirurgia, enquanto Caldas da Rainha ficaria com a obstetrícia e a pediatria, segundo uma proposta elaboradas pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT).

Além de garantir que nunca teve conhecimento do documento que serviu de base à distribuição de valências e serviços pelos vários hospitais do CHO, a OesteCim critica a “indisponibilidade” do ministro da Saúde, Paulo Macedo, para “realizar uma reunião solicitada em fevereiro de 2012 e reiterada em junho de 2013”.

O processo de reorganização hospitalar tem sido contestado por autarcas, partidos políticos e movimentos cívicos que contestam o encerramento de valências.

O CHO abrange os concelhos de Caldas da Rainha, Torres Vedras, Peniche, Óbidos, Bombarral, Cadaval, Lourinhã e parte dos concelhos de Alcobaça e Mafra, servindo mais de 292.500 pessoas.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Marcha do Orgulho com mais de 300 participantes

Realizou-se nas Caldas da Rainha, no dia 26 de junho, uma marcha em defesa da comunidade lésbica, gay, bissexual, transgénero e outras orientações de género, com mais de três centenas de manifestantes a rejeitarem serem discriminados e a reclamarem por condições...

marcha1

Arrancaram obras na linha férrea entre Caldas e Torres

A Infraestruturas de Portugal deu início, no dia 28 de junho, à empreitada de modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha, após a assinatura do auto de consignação ter tido lugar na estação ferroviária de Caldas da Rainha, com a...

ferrovia