Q

Previsão do tempo

13° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 12° C
14° C
  • Thursday 17° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 12° C
14° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 12° C
Edição da Caldas Editora

Lançamento do livro “As Igrejas da Pederneira” de Carlos Fidalgo

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Foi um sucesso o lançamento do livro “As Igrejas da Pederneira” do séc. XII ao séc. XVII, do investigador Carlos Fidalgo que decorreu a 17 de novembro no Hotel Praia na Nazaré. A obra, que apresenta um completo estudo sobre as igrejas da Pederneira, foi um lançamento da Caldas Editora Lda. A afluência de cerca de uma centena de pessoas à sessão de lançamento do livro, onde se pode agora conhecer a história da Pederneira, freguesia onde teve origem a Nazaré, é a prova do carinho que os nazarenos têm pelo investigador.

A sala do Hotel Praia foi pequena para a multidão que se juntou na tarde de sábado numa sessão que contou com a presença de Pedro Barbosa, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, do arqueólogo João Inês Vaz e de António Salvador, presidente do Grupo Oeste Capital (propriedade da empresa jornalística Caldas Editora),

Madalena Tavares, ex-diretora da Biblioteca Municipal de Alcobaça, foi a moderadora da mesa. Referiu que teve o privilégio de acompanhar o trabalho de Carlos Fidalgo e prestigiou a obra referindo que é “um marco importante do património da Nazaré”.

Pedro Barbosa, que escreveu o prefácio da publicação, realçou a “importância da obra que é um contributo para o conhecimento da história desta terra, que foi uma das povoações mais importantes desta Estremadura Central, sendo esquecido, muitas vezes, o papel que teve num comércio que chegava às terras do Algarve, e talvez mais além”. Referiu ainda que o estudo das Igrejas é fundamental porque “eram as dinamizadoras da economia e da cultura”. Elogiou o trabalho do investigador, revelando que “é um assunto extremamente difícil, sendo a documentação escassa”. Destacou a escrita “perfeita” de Carlos Fidalgo. “A escrita é clara e simples, chega ao especialista e ao não especialista. O autor preocupou-se com o rigor científico e com a comunicação”, disse o professor.

O arqueólogo de Viseu, João Inês Vaz, ficou impressionado com a afluência do público ao lançamento do livro, referindo que “demonstra a importância que hoje se dá ao património”. “Só podemos preservar o que conhecermos”, sublinhou o arqueólogo, dando alguns exemplos de edifícios que foram recuperados só depois de terem sido estudados e divulgada a sua importância. “Há sempre um processo que se inicia quando um livro é publicado”, acrescentou.

João Inês Vaz diz que tem uma ligação à região, nomeadamente a Alcobaça, onde já participou em vários congressos. Esteve ligado a um estudo sobre as pontes antigas de Alcobaça e revelou que pretende alargar o âmbito e continuar o trabalho.

Também o arqueólogo elogiou a escrita de Carlos Fidalgo, referindo que é uma obra “acessível não só aos investigadores mas também ao grande público”.

Durante a cerimónia de lançamento da obra, António Salvador foi bastante elogiado por ter assumido a edição do livro.

Recorde-se que a Caldas Editora tem-se associado a algumas obras de autores emergentes. Em 2010 editou o livro “Numária – O Papel da Moeda – As Notas da República” de Luís Manuel Tudella, obra de interesse nacional, inserida na agenda do Programa Nacional das Comemorações do Centenário da República.

O arquiteto encerrou a sessão elogiando o trabalho de Carlos Fidalgo e destacando a importância que dá à cultura e património. Recordou que no papel de vereador do Município da Nazaré apresentou recentemente em reunião de Câmara uma proposta que a instalação na antiga Casa da Câmara da Pederneira uma “Casa da Cultura” albergasse o espólio cultural, bibliográfico, documental e histórico do Concelho (da Pederneira e ou da Nazaré). Embora chumbada, António Salvador garante que vai continuar a lutar pela preservação e requalificação do património na Nazaré.

Ao longo de 130 páginas com cerca de 30 imagens conta-se a história da Pederneira, que se situa no cimo de um monte a nascente da Praia da Nazaré, mantendo ainda na sua praça central o edifício dos antigos Paços do Concelho, a Igreja Matriz e o Pelourinho. Segundo, o autor, a obra de caráter histórico e científico permite descobrir a Pederneira através de três vertentes; as suas igrejas, as migrações sociais e os fenómenos de origem natural, num período temporal de aproximadamente quinhentos anos (séc. XII ao séc. XVII). O livro está assente em fontes documentais, pesquisas e trabalho de campo. Em declarações ao REGIÃO DA NAZARÉ, Carlos Fidalgo disse que enfrentou mais dificuldades com a “falta de referências documentais e faltas de trabalho de arqueologia que no fundo acaba por condicionar a investigação de qualquer pessoa que se dedique a esta área”.

Lamenta que a Câmara Municipal da Nazaré não tenha um gabinete de arqueologia. “Tem a ver com os momentos difíceis que o país atravessa. É preciso dinheiro para a arqueologia e infelizmente a cultura como a arqueologia não é a prioridade dos políticos”, afirmou o investigador, acrescentando que a ausência desta área é “não apostar na nossa entidade e no nosso património”. Carlos Fidalgo apontou que, além da Pederneira, há vários sítios a nível do concelho da Nazaré, como Famalicão, Valado de Frades e inclusivamente o Sítio, onde existe o santuário, que necessitam de sondagens arqueológicas.

Carlos Fidalgo que não podia estar mais feliz por ver a sala do Hotel Praia a abarrotar de gente para assistir ao lançamento da sua obra. Disse que era um trabalho que estava na gaveta e que há anos que tinha ideia de escrever sobre “esta parte temporal da história da Pederneira”.

Projetos não lhe faltam. Este foi o seu primeiro livro e em mente já tem planeado o seu segundo trabalho que vem na sequência desta publicação. “A Pederneira é de fato o meu objeto de estudo, e irá continuar a ser, terá sido o berço daquilo que hoje conhecemos como o conjunto urbano da Nazaré e enquanto não percebemos o princípio, não vamos entender o meio para nos preparamos para o futuro”, disse Carlos Fidalgo.

No final houve uma sessão de autógrafos e foram muitos os que esperaram para ter os seus livros assinados pelo autor.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Alcobacense Churky participa no Festival da Canção 2023

O Músico Churky, de Alcobaça, é um dos novos valores da música portuguesa que está entre os 20 autores selecionados para a edição de 2023 do festival da Canção. Há mais dois nomes do distrito de Leiria que participam, os Dankunsportif  de Peniche e  Inês...

chuky 1

Novo disco dos The Gift chega às plataformas de streaming

CORAL, o novo disco dos The Gift, editado no passado dia 14 de setembro, apenas disponível em exclusivo na App REV, já chegou a todas as plataformas de streaming. O novo trabalho de estúdio da banda de Alcobaça conta com um conceito único, no qual arriscaram a...

indice