Q

Previsão do tempo

12° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 16° C
12° C
  • Tuesday 16° C
  • Wednesday 16° C
  • Thursday 17° C
13° C
  • Tuesday 16° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 17° C

Fecho do Hospital de Alcobaça, não está em análise

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Sub-titulo: Sustentabilidade das contas do Hospital é urgente, diz ARS O Presidente da Administração Regional de Saúde, Luís Cunha Ribeiro, assegurou, na semana passada, durante a cerimónia do lançamento da primeira pedra do Centro de Saúde do Vimeiro (Alcobaça) que nunca existiu a intenção de encerrar o Hospital de Alcobaça. O responsável garantiu, ainda, que […]

Sub-titulo: Sustentabilidade das contas do Hospital é urgente, diz ARS O Presidente da Administração Regional de Saúde, Luís Cunha Ribeiro, assegurou, na semana passada, durante a cerimónia do lançamento da primeira pedra do Centro de Saúde do Vimeiro (Alcobaça) que nunca existiu a intenção de encerrar o Hospital de Alcobaça. O responsável garantiu, ainda, que «todas e quaisquer decisões serão tomadas de acordo com as pretensões de cada município». De acordo com um estudo da Administração Regional de Saúde de Lisboa e vale do Tejo sobre a reorganização hospitalar, se o hospital de Alcobaça encerrasse o serviço de urgências e os internamentos pouparia ao Estado 4,6 milhões de euros. Contudo, segundo garantiu este responsável, «não é isso que vai acontecer, apesar de haver a necessidade de tornar a unidade de saúde financeiramente sustentável». A criação do Centro Hospitalar do Oeste gerou, nas últimas semanas, receios sobre o possível encerramento do centenário Bernardino Lopes de Oliveira e uma onda de preocupação por parte dos funcionários desta unidade de saúde Catorze trabalhadores do Hospital de Alcobaça, entre médicos, enfermeiros e administrativos, deslocaram-se à Câmara Municipal para alertar o executivo camarário sobre a possibilidade de encerramento daquela unidade. O grupo aproveitou para falar da falta de médicos, onde existem 26 camas e apenas três clínicos ao serviço, um dos quais em regime de contrato a termo. O encerramento de serviços, tanto clínicos como administrativos, e a perda do poder de decisão, que passou para Caldas da Rainha há quase três anos, foram outras das preocupações transmitidas, tal como o «subaproveitamento do recentemente inaugurado bloco de cirurgia ambulatória». Segundo disseram «à segunda-feira não há operadores e à sexta-feira vai deixar de haver anestesista, portanto, só haverá cirurgias às terças, quartas e quintas-feiras», disse um dos funcionários do Hospital Bernardino Lopes. De acordo com outro trabalhador os médicos «diminuíram em todos os serviços, incluindo nas consultas externas, pelo que se os números é que falam, nós não temos produtividade». O Hospital de Alcobaça presta assistência a uma população de 78 mil habitantes, dos concelhos de Alcobaça e Nazaré, e até há pouco tempo apresentava uma média diária de 100 atendimentos, um número próximo do que o Hospital de Caldas da Rainha atende por dia, 140. Foi sobre a receio de encerramento desta importante unidade de saúde em Alcobaça que o presidente da Câmara de Alcobaça, Paulo Inácio, reuniu, com a ARS. No encontro, que serviu para Paulo Inácio apresentar a posição do Município de Alcobaça relativamente à futura prestação de cuidados de saúde, no âmbito da reorganização hospitalar em curso, foi-lhe garantido que o Hospital não irá ser encerrado Paulo Inácio realizou no final da semana passada uma conferência de imprensa para dar conta da proposta que apresentou à ARS, administração do Hospital de Leiria e que, dentro de dias, irá transmitir ao Ministro da Saúde, Paulo Macedo «Tendo em conta os atuais constrangimentos financeiros, e a necessidade de termos um serviço de cuidados de saúde de qualidade, propus, nos cuidados de saúde primários, de centros de saúde, que o concelho de Alcobaça continue, como um todo, vinculada ao oeste, e que o Hospital Bernardino Lopes, isto nos casos de urgências e tratamentos superiores, fique com Administração e passe a reportar para o Hospital de Leiria», explicou Paulo Inácio. O autarca adiantou que pediu, ainda, «uma exceção para a especificidade de São Martinho do Porto, Alfeizerão e Benedita, com vista à manutenção da situação actual que é reportar os casos de necessidade de cuidados de saúde para o Hospital Bernardino Lopes e, nos casos mais gravosos, para o Oeste». Dentro de uma semana terá lugar uma reunião entre o Ministro da Saúde e todas as Câmaras visadas nesta reorganização das urgências hospitalares nesta região, e esta será a posição que o Município de Alcobaça irá apresentar, a mesma que, segundo Paulo Inácio, «colheu a recetividade da ARS». Paulo Alexandre

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Timorenses acolhidos por Alcobaça aguardam ofertas de emprego

40 migrantes de nacionalidade timorense foram alojados na Pousada da Juventude de Alfeizerão, em Alcobaça. “São na maioria jovens entre os 20 e os 30 anos, que vieram encaminhados pela Segurança Social de Leiria”, segundo o presidente da Câmara de Alcobaça,...

Maçã de Alcobaça apresentou-se na Feira Fruit Attraction em Madrid

Feira Fruit Attraction, um dos maiores certames de marketing de produtos agrícolas (frutas e vegetais) do mundo, decorreu no pavilhão da IFEMA Madrid, de 4 e 6 de outubro, e Alcobaça esteve presente com um dos seus produtos frutícolas de marca. O evento contou com...

anexo sem nome 00056