Q

Previsão do tempo

21° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 21° C
21° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 23° C
  • Wednesday 23° C
23° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 23° C
  • Wednesday 23° C

Injazz traz Filipe Melo Trio e António Pinho Vargas a Alcobaça

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Quinta edição do certame volta ao Cine-Teatro nos dias 13 e 14 de MarçoO festival itinerante INjazz regressa na sua quinta edição ao Cine-Teatro de Alcobaça nos próximos dias 13 e 14 de Março, sexta e sábado respectivamente, para apresentar mais dois concertos: o Filipe Melo Trio (que será acompanhado por um artista internacional a […]
Injazz traz Filipe Melo Trio e António Pinho Vargas a Alcobaça

Quinta edição do certame volta ao Cine-Teatro nos dias 13 e 14 de MarçoO festival itinerante INjazz regressa na sua quinta edição ao Cine-Teatro de Alcobaça nos próximos dias 13 e 14 de Março, sexta e sábado respectivamente, para apresentar mais dois concertos: o Filipe Melo Trio (que será acompanhado por um artista internacional a anunciar) num projecto original dedicado ao certame deste ano (será dia 13, sexta, pelas 22h) e o regresso aos palcos do reconhecido músico e compositor António Pinho Vargas (num espectáculo que conta com a colaboração do saxofonista José Nogueira, dia 14, à mesma hora). Tal como tem acontecido nos anos anteriores, o festival Injazz opta assim por atravessar várias localidades e concelhos do país (uma forma de descentralizar a oferta do jazz e que desde a primeira edição em 2005 tem passado por concelhos como Aveiro, Beja, Montemor-o-Velho, Vila Nova de Famalicão, além de Alcobaça, pois claro) e integrar na sua programação, mais do que os concertos, outro tipo de actividades didácticas.

Para este ano, o festival aposta em projectos originais que desta vez contam com a abertura do convite a conceituados músicos estrangeiros para integrarem a formação de músicos portugueses (é o caso da passagem do espectáculo do Filipe Melo Trio por Alcobaça onde se espera a presença de um grande nome) e aquilo a que se pode chamar também um acontecimento: a regravação do primeiro álbum de originais de António Pinho Vargas, 25 anos depois do seu lançamento, o qual tem marcado o meio editorial português. É neste contexto que o famoso músico irá passar pelo Grande Auditório do Cine-Teatro de Alcobaça, na companhia do José Nogueira (saxofone), num duplo formato que o próprio garante preservar o renovado contacto com o instrumento, mantendo ao mesmo tempo a cumplicidade adquirida ao longo dos anos e o prazer de criar e recriar música em conjunto.All That Jazz: ciclo de cinema aborda a relação entre a Sétima Arte e o JazzAntes da passagem do festival itinerante Injazz por Alcobaça, o Cine-Teatro de Alcobaça recupera ainda algumas das obras que melhor exprimiram a relação entre ambas as artes: será nos dias 8 e 9 de Março, com três obras que de uma forma ou de outra reflectem o peso e a influência do Jazz na Sétima Arte. É conhecida como esta relação é antiga e como a própria ascensão do sonoro no cinema (foi em 1927 que “The Jazz Singer” se tornava no primeiro filme a trazer o som para as salas) nasceu desde bem cedo sob o signo do Jazz. Também sob essa influência, teremos então três obras que integram em si a forte tradição do Jazz em conjunto com as imagens: “Kansas City” (1996) de Robert Altman é o primeiro título a abrir as hostilidades (dia 8, pelas 17h), numa história onde o cineasta americano regressa à sua cidade natal para retratar o frenético mundo do jazz dos anos 1930 (pelo meio há um enredo marcado por crime e amor que soa a homenagem ao género e à época). No mesmo dia (pelas 21h 30), chega a vez de recuperar uma das mais invulgares histórias de amor entre um alcoólico e uma prostituta na cidade de Las Vegas, aqui interpretados por Elisabeth Shue e Nicolas Cage (cujo papel lhe valeu o Óscar de Melhor Actor pela Academia de Hollywood). “Morrer em Las Vegas” (1995) oferece-nos um carismático par de personagens embalado por uma banda sonora composta de famosos standards do jazz e originais do próprio realizador Mike Figgis (para que conste, as vozes contaram com a participação de Sting e Don Henly). Para terminar, temos “A Sede do Mal” (1958), dia 9, pelas 21h 30, um dos mais citados e celebrados filmes de Orson Welles (a sua obra “Citizen Kane – O Mundo a seus Pés” é normalmente colocado na posição cimeira das listas de melhores filmes de todos os tempos) que aborda a corrupção na fronteira entre o México e os Estados Unidos, contendo aquela que é considerada por muitos a melhor banda sonora de Henry Mancini (autor de temas tão famosos como a melodia da Pantera Cor-de-Rosa ou “Moon River”, e que neste caso compôs uma trilha sonora povoada de jazz, blues e ritmos afro-cubanos).

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

CDU critica atualização de respostas sociais à realidade do país

A resposta social do concelho às famílias que apresentam maiores dificuldades não é suficiente na opinião da CDU. “Temos vindo a assistir à degradação da vida por conta dos aumentos de custos de vida”, disse João Paulo Delgado, vereador na oposição da Câmara da...

cmn

Detidos em flagrante dois jovens enquanto furtavam uma casa na Nazaré

Dois jovens de 17 e 19 anos, do sexo masculino, foram detidos, no passado dia 6 de julho, por militares do Comando Territorial de Leiria da Guarda Nacional Republicana (GNR), por tentativa de furto no interior de uma residência, na freguesia de Famalicão, na...