Q

Previsão do tempo

17° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 31° C
  • Saturday 29° C
17° C
  • Thursday 33° C
  • Friday 37° C
  • Saturday 37° C
15° C
  • Thursday 33° C
  • Friday 37° C
  • Saturday 37° C

Tão longe da vista, tão perto do coração

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Editorial 126Um pouco por toda a parte, em época de verão, fazem-se as festas dos emigrantes. O mês de Agosto é marcado, habitualmente, pela visita daqueles que só vemos uma vez por ano e que passam 11 meses a pensar no nosso sol, na nossa terra, no nosso cheiro e nos nossos sabores.Um dia partiram. […]

Editorial 126Um pouco por toda a parte, em época de verão, fazem-se as festas dos emigrantes. O mês de Agosto é marcado, habitualmente, pela visita daqueles que só vemos uma vez por ano e que passam 11 meses a pensar no nosso sol, na nossa terra, no nosso cheiro e nos nossos sabores.Um dia partiram. Coragem, pensam muitos. Cobardia, pensarão muitos daqueles que ficaram e que não reconhecem aos outros a ousadia de tentar melhor sorte longe da pátria-mãe.

Um dia partiram, levando uns magros escudos no bolso e uma mala cheia de sonhos, de esperança de um dia voltar. Lá fora, lutaram com as forças que tinham e com aquelas que encontraram para contrariar o seu destino, marcado pela falta de oportunidades de um país em que as portas, em vez de se abrirem, fechavam-se umas atrás das outras. Uns fugiam do árduo trabalho do campo, outros daqueles que não permitiam que houvesse homens a pensar de outra maneira que não fosse a sua. Outros, ainda, fugiam da miséria que lhes rondava a porta, sempre de atalaia, pronta para entrar…Nem todos voltaram ricos, nem todos voltaram pobres. Também para eles, a vida foi, umas vezes, mãe e, outras, madrasta.Correram mundo e levaram com eles a língua, a alegria, a tristeza de um povo que inventou a palavra saudade para expressar a dor da ausência do que se tem e do que não se tem, do que se viu há pouco e do que não se vê há muito. Em troca de uma vida melhor, deixaram o seu suor, as suas lágrimas e a força do seu trabalho. Nem sempre foram bem vistos ou aceites por essas paragens. Eram resistentes. Davam lições à sobrevivência.É Agosto e tal como as andorinhas na Primavera, também eles voltam todos os anos, sedentos do conforto do ninho e de fortalecer o fio que os liga às origens. Chegam e já nada é igual. O país que lhes fechou as portas um dia, agora é a oportunidade para outros que também viram as portas fechadas nas suas terras de origem.Surpreendem-se. Quando é que Portugal passou a ser um país de oportunidades?Surpreendem-se, mas compreendem que é preciso acolhê-los, mostrar-lhes que somos um povo hospitaleiro. Estes, a quem chamamos imigrantes, têm uma história parecida com a sua. Talvez mais recente, mais moderna, com uma roupagem mais actual. Mas, os sentimentos são os mesmos, o objectivo é sempre o mesmo: fazer como a formiga, trabalhar e amealhar, trabalhar e amealhar para um dia voltar.Não se conhecem. Talvez nem tenham tempo para isso. Mas, os seus corações são irmãos. Conhecem a dor da partida e a alegria da chegada. Sabem como é viver longe dos seus, no meio de festas e comemorações que lhe são estranhas, sonhando com aquele mês que é sempre pequeno para matar tantas saudades…Talvez devamos alterar um pouco o objectivo das nossas festas ao emigrante. Talvez devamos festejar aqueles que regressam em Agosto e aqueles que, por opção, escolheram o nosso país para viver.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

As vantagens de apostar num projeto de cozinha com ilha

Este tipo de cozinhas modernas com ilha, são cada vez mais comuns em Portugal por oferecerem uma estética interessante e serem muito mais práticas do que as cozinhas com uma disposição mais tradicional.

artigo

IPSS’s de Alcobaça e Nazaré recebem 17 viaturas

A cerimónia de assinatura do protocolo, no âmbito da candidatura “Mobilidade Verde - Carros Elétricos para Instituições Particulares de Solidariedade Social com Serviço de Apoio Domiciliário a Idosos”, teve lugar no passado dia 29 de maio, no Cineteatro de Porto de...

anexo sem nome 00056

CERCINA adquire instalações do Centro Social do Rio Novo

As instalações do antigo Centro Social do Rio Novo, na Nazaré, foram adquiridas pela CERCINA – Cooperativa de Ensino, Reabilitação, Capacitação e Inclusão da Nazaré. Neste imóvel, devoluto há largos anos, pretende a CERCINA instalar o novo Serviço de Apoio...

cercina