Q

Previsão do tempo

17° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 24° C
18° C
  • Monday 26° C
  • Tuesday 27° C
  • Wednesday 28° C
18° C
  • Monday 28° C
  • Tuesday 28° C
  • Wednesday 29° C

Peça de teatro aborda a vida e obra de Bernardo Santareno

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
No Cine-Teatro de Alcobaça a 30 de MaioDavid MarianoNa próxima sexta, dia 30 de Maio, pelas 21h 30, a hora é de teatro: “Bernardo Santareno… Nos Túneis da Liberdade” sobe ao palco do Grande Auditório do Cine-Teatro de Alcobaça pela mão da Veto Teatro Oficina numa narrativa dramática que combina 2 actos da autoria de […]

No Cine-Teatro de Alcobaça a 30 de MaioDavid MarianoNa próxima sexta, dia 30 de Maio, pelas 21h 30, a hora é de teatro: “Bernardo Santareno… Nos Túneis da Liberdade” sobe ao palco do Grande Auditório do Cine-Teatro de Alcobaça pela mão da Veto Teatro Oficina numa narrativa dramática que combina 2 actos da autoria de Fernanda Narciso e José Ramos. Com “leves alterações”, diz o texto de apresentação da peça, temos aqui alguns textos dramáticos e a epistolografia de Bernardo Santareno (1924-1980) revelada. Podemos dizê-lo por outras palavras: o espectáculo assim construído a partir de testemunhos, da correspondência pessoal e da criação literária do autor pretende mostrar a vida deste escritor, considerado uma amante da bondade do ser humano e da liberdade (e perguntamo-nos: o que teria ele a dizer sobre estes dois aspectos hoje?).

Será uma forma de retratar o seu amor pelo teatro, a intensa actividade cristã que nutriu a par de um certo desencanto com a Igreja, a formatura em medicina, os amores e as paixões femininas, a intensa actividade que manteve no campo da dramaturgia portuguesa, sem esquecer o envolvimento politico e de oposição ao Estado Novo que o deu a conhecer como um homem verticalmente íntegro e convicto até ao fim da sua vida. Para quem não sabe, Bernardo Santareno é reconhecido como o mais pujante dramaturgo português do séc. XX, cuja obra e percurso é habitualmente dividida em dois ciclos distintos, mas onde as peças tentam responder ao que lhe foi sempre essencial: o direito à diferença e o respeito pela liberdade e dignidade do homem perante as várias formas de opressão.Temas bastante actuais, diríamos, para a época em que vivemos, de um autor a quem se associa uma bela imaginação dialogal e cénica, inspirada num misto de poesia e superstição populares, onde a inspiração não deixa de seguir de perto um certo sentimento erótico e religioso aspirando à íntima comunhão humana que se chega mesmo a realizar através da pura crueldade (isto a confiar nas palavras da notabilíssima História da Literatura Portuguesa de António José Saraiva e Óscar Lopes). A sua obra mais conhecida: “O Judeu”, a qual retrata o calvário do dramaturgo setecentista António José da Silva queimado pelo Santo Ofício, é uma das mais citadas e representadas no teatro nacional. Com “Bernardo Santareno… Nos Túneis da Liberdade” chegou agora a vez do autor também ser posto em cena.Mário Marques estreia residência musical no Cine-Teatro de Alcobaça Parece que desta é de vez: há duas edições atrás o Região da Nazaré por engano (ou distracção: em ambos os casos expressamos aqui as nossas mais sinceras desculpas) noticiou o concerto de estreia de Mário Marques como músico residente do Cine-Teatro de Alcobaça, artista que tratava de avançar deste modo a primeira de três propostas musicais nessa ilustre condição (concerto acabou por ser cancelado e adiado para uma outra data). Mais vale tarde do que nunca: agora sim teremos oportunidade de ouvir o músico alcobacense apresentar a música de Daniel Shneyder como pretexto para um desafio que passa precisamente pela fusão das duas linguagens em que Mário Marques mais tem feito carreira (o jazz e a música erudita). Esperamos não nos enganar desta feita: dia 10 de Junho, pelas 17 h, teremos finalmente um programa composto por uma suite de jazz com oito andamentos e uma formação constituída por um saxofone solista, um quarteto de cordas e percussão. Está explicado o título do espectáculo: “Saxofone e Cordas” aposta na complexidade musical de Daniel Shneyder e procura corresponder à exigência dos arranjos face às diferentes capacidades e visões instrumentais colocadas em cena. Tudo isto é o primeiro capítulo de uma relação que promete novos episódios: em Outubro será altura do saxofone se acompanhar de um Coro Misto (com espirituais e improviso à mistura) e em Dezembro temos algo que se chama “Histórias, Contos, Música e Barulhos” (um título bem simples e objectivo que promete muita energia e caos criativo).

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

As vantagens de apostar num projeto de cozinha com ilha

Este tipo de cozinhas modernas com ilha, são cada vez mais comuns em Portugal por oferecerem uma estética interessante e serem muito mais práticas do que as cozinhas com uma disposição mais tradicional.

artigo

Quercus atribui Qualidade de Ouro a duas praias do concelho da Nazaré

A associação divulgou a lista das 440 praias com “Qualidade de Ouro”, um valor nunca antes alcançado na história deste galardão que avalia a qualidade das águas balneares nacionais, estando as duas praias costeiras do concelho da Nazaré integradas no ranking de...

245416536 4319795401408206 1376882044721136776 n