Q

Previsão do tempo

17° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 31° C
  • Saturday 29° C
18° C
  • Thursday 33° C
  • Friday 37° C
  • Saturday 37° C
17° C
  • Thursday 33° C
  • Friday 37° C
  • Saturday 37° C

Assembleia Municipal de Alcobaça junta centenas de pessoas

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Em discussão parecer contra o TGV no concelhoDavid MarianoFoi na noite de 4 de Outubro e prometia ser uma das mais concorridas e mobilizadoras Assembleias Municipais da história; pouco tempo após a intervenção do Presidente da Câmara Municipal de Alcobaça Gonçalves Sapinho se ter iniciado (numa altura em que o Auditório da Biblioteca Municipal era […]

Em discussão parecer contra o TGV no concelhoDavid MarianoFoi na noite de 4 de Outubro e prometia ser uma das mais concorridas e mobilizadoras Assembleias Municipais da história; pouco tempo após a intervenção do Presidente da Câmara Municipal de Alcobaça Gonçalves Sapinho se ter iniciado (numa altura em que o Auditório da Biblioteca Municipal era já pequeno demais para o público que ia chegando) os protestos e os tumultos daqueles que não haviam conseguido entrar obrigavam o Presidente da Mesa de Assembleia Paulo Inácio a suspender a sessão extraordinária deste órgão durante a discussão do ponto mais importante em agenda – a aprovação de um parecer redigido pelo Município contra a passagem do Comboio de Alta Velocidade (TGV) no concelho.

Por esta altura, despachados que estavam os pontos iniciais agendados, Gonçalves Sapinho ia explicando à audiência os prejuízos do TGV sobre a região, tal como previsto no troço no Troço Alenquer (OTA) – Pombal (Lote C1), quando as largas centenas de pessoas que se encontravam na rua e procuravam assistir (o Auditório da Biblioteca comporta apenas 100 lugares sentados) acabaram por ditar a interrupção dos trabalhos. A solução seria encontrada pouco tempo mais tarde e foi acordada por unanimidade entre os deputados municipais; decidindo-se a transferência da Assembleia Municipal para o Grande Auditório do Cine-Teatro de Alcobaça.Até aí, o líder do executivo camarário acusara a Rede Ferroviária de Alta Velocidade (RAVE) de falta de compromisso perante os avisos e as preocupações manifestadas pela autarquia em relação aos primeiros percursos conhecidos (e os quais a RAVE pedira para não revelar publicamente) depois de efectuadas duas reuniões iniciais com esta entidade em 2004. A partir desta data, a CMA esclareceu que nunca mais obtivera resposta às suas dúvidas e preocupações sobre os possíveis traçados, facto que segundo Gonçalves Sapinho demonstrou o “incumprimento da regras que a própria RAVE impôs”.No entanto, o chefe do executivo não deixou de apoiar a ligação do TGV entre Lisboa – Madrid, a qual considera vital na relação entre Portugal e a Europa e fundamental para o seu crescimento económico. E dividiu as águas no capítulo partidário: “Que ninguém veja a Câmara Municipal de Alcobaça a fazer oposição ao Governo com esta questão, quer fosse uma decisão do PS ou do PSD a nossa responsabilidade seria sempre perante as populações e em nome da defesa dos interesses do concelho.”Movimento Anti-TGV À medida que as largas centenas de pessoas ia abandonando o Auditório da Biblioteca Municipal de Alcobaça em direcção ao Cine-Teatro, percebeu-se também que grande parte desta multidão era o resultado de um Movimento Anti-TGV, organizado em pouco mais de 24 horas, por Bruno Letra, membro da Junta de Freguesia da Benedita. Abertamente contra os traçados de alta velocidade no concelho e em particular na zona da Benedita, esta organização realizou nessa mesma noite uma marcha lenta no IC2 desde a Venda das Raparigas, localidade à entrada da freguesia, até Moita do Poço, a uma velocidade inferior a 30 quilómetros por hora, rumando posteriormente para Alcobaça. Refira-se que entre os dois possíveis trajectos, a Benedita será inevitavelmente um dos locais mais afectados: a futura área industrial da Quinta da Serra ou a Avenida da Igreja arriscam-se literalmente a ficarem cortadas ao meio. Por esta razão, Bruno Letra foi um dos que apelou juntamente com Paulo Inácio, antes do retomar da sessão e no topo do terraço do Cine-Teatro, a uma participação ordeira e civilizada (relembrando-se que é proibido qualquer tipo de manifestação pública durante a Assembleia Municipal).Sessão aberta até de madrugada Foi novamente Gonçalves Sapinho a retomar a palavra num Cine-Teatro completamente repleto e preparado em tempo recorde para a apresentação técnica dos diversos prejuízos da passagem do TGV pelo concelho. “Toda a zona a Este da linha de alta velocidade vai ficar amputada do concelho de Alcobaça”, adiantou. “Este processo vai dividir populações, núcleos urbanos, destruir empresas, fábricas, arruinar a indústria da pedra e extracção de inertes que é uma riqueza local.” Razão pela qual garantiu: “Estou contra o TGV, sem reservas, sem partidos e sem governos.” A partir daqui, expuseram-se os argumentos técnicos da CMA, encomendados ao especialista Fernando Nunes da Silva, engenheiro do Instituto Superior Técnico de Lisboa, que ameaçam monumentos históricos como a Casa do Monge Lagareiro (na Ataíja de Baixo), a Ermida de São João Baptista (nos Olheiros), as grutas de ocupação pré-histórica do Carvalhal de Aljubarrota ou ainda o legado natural da maior zona freática na Europa, das Manchas de carvalhal, do Vale da Ribeira do Môgo, do Campo de Dolinas do Casal do Rei e Lagoa do Cão ou do Vale do Rio da Fonte Santa. No capítulo urbanístico, sublinhou-se a destruição de mais de mil edificações (de natureza pessoal, familiar ou empresarial) e de empreendimentos turísticos como a Casa da Padeira ou o Casal dos Cucos. De seguida, os vários deputados municipais presentes e presidentes de junta de freguesia foram assomando ao palco, defendendo na sua maioria posições contra o TGV e solidarizando-se com a posição assumida pela CMA. Foi o caso dos líderes das freguesias de Turquel, Évora de Alcobaça, São Vicente ou Prazeres de Aljubarrota e de Maria José Filipe, Amílcar Raimundo, José Diogo, Joaquim Pina e José Lourenço. Da bancada do PSD, subiram igualmente Raúl Duarte, Eduardo Marques, João Paulo Costa e Pedro Mateus Guerra, o qual apresentou uma moção não partidária contra o TGV (aprovada apenas com 4 abstenções). Já Adelino Granja, não deixou de apelar aos indirectamente afectados para se juntarem aos mais directamente afectados, reclamando a valorização da Linha do Oeste, enquanto o independente José Marques Serralheiro apresentou uma moção própria (também aprovada com 11 abstenções e 1 voto contra). Por outro lado, Basílio Martins da CDU defendeu a posição política do seu partido face a um empreendimento nacional que nunca foi considerado prioritário. A dissonância acabou por vir do PS, através de César Santos que referiu ter existido pouco tempo na análise do projecto e deu conta de “uma boa notícia para o concelho” com um novo percurso avançado pela Confederação da Indústria Portuguesa no contexto do Aeroporto de Alcochete que poderá desviar o TGV de Alcobaça – não deixando de dizer por outro lado que este é um projecto que evidencia “superior interesse nacional” a conciliar com os interesses do pais e das populações. Numa Assembleia Municipal onde foi notória a ausência de vereadores do PS (Dulce Bagagem não chegou a comparecer), a moção apresentada por César Santos registou apenas 4 votos favoráveis, terminando finalmente a sessão por volta das duas horas da madrugada.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

As vantagens de apostar num projeto de cozinha com ilha

Este tipo de cozinhas modernas com ilha, são cada vez mais comuns em Portugal por oferecerem uma estética interessante e serem muito mais práticas do que as cozinhas com uma disposição mais tradicional.

artigo