Q

Previsão do tempo

17° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 30° C
17° C
  • Wednesday 29° C
  • Thursday 34° C
  • Friday 37° C
18° C
  • Wednesday 31° C
  • Thursday 34° C
  • Friday 37° C

Quanto custa o regresso às aulas?

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Subida dos preços dos manuais afecta orçamento familiar Os preços dos manuais escolares subiram, em média, este ano, 3,1 por cento, segundo a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL). Na prática, isto significa que ter um filho no 1.º ciclo implicará uma despesa que ronda os 23 euros. Já no 3.º ciclo, a factura […]

Subida dos preços dos manuais afecta orçamento familiar

Os preços dos manuais escolares subiram, em média, este ano, 3,1 por cento, segundo a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL). Na prática, isto significa que ter um filho no 1.º ciclo implicará uma despesa que ronda os 23 euros. Já no 3.º ciclo, a factura atinge os 131,65 euros. Os números dizem respeito exclusivamente aos livros para as disciplinas nucleares. Ou seja, Educação Física, Educação Musical e Educação Visual e Tecnológica não são incluídas nestas contas, já que uma grande parte dos alunos não chega a adquirir títulos para aquelas disciplinas.

Quem quiser comprar os livros todos terá de gastar mais: no caso de um aluno do 7.º ano, por exemplo, 53 euros é o valor médio dos manuais para as três disciplinas – mas, lembra a APEL, muitos dos livros destas disciplinas servem para todo o ciclo de ensino, até ao 9.º ano. Feitas as contas, os pais de um aluno do 7.º ano poderão gastar até 192 euros. Livros de fichas e material escolar são à parte. A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas não fez ainda um estudo rigoroso, mas estima-se que, “incluindo manuais, material de desenho, canetas, cadernos”, apetrechar um aluno do 1.º ciclo exija cerca de 150 euros e que, no secundário, sejam necessários até 250. Jorge Pedreira, secretário de Estado Adjunto e da Educação, nota, no entanto, que 213.900 alunos dos 2.º e 3.º ciclos e secundário de famílias mais carenciadas serão abrangidos, através da acção social escolar, por comparticipações no custo dos livros. O orçamento previsto para esta rubrica é 28 milhões de euros. Paulo Gonçalves, do gabinete de comunicação da Porto Editora, explica que durante anos “os preços dos manuais estiveram congelados” e que os custos de produção não pararam de aumentar e estavam a tornar-se “incomportáveis para as editoras”. Um manual leva em média um ano e meio a fazer, justifica. Ainda assim, frisa, cumpriu-se a regra que diz que o termo de referência para agravamento médio dos preços no básico é a taxa de inflação média registada no mês de Outubro anterior ao da adopção dos livros. Vasco Teixeira, da Associação Portuguesa dos Editores e Livreiros, considera o aumento “ligeiro”, pois não compensa as perdas do sector desde 2002, estimadas em 15 por cento. Os editores pretendiam “recuperar em quatro a cinco anos” as perdas. Segundo uma lei publicada em 2006, o período de vigência dos manuais passará a ser de seis anos, mas só se saberá quais – dos que estão agora a ser vendidos – serão abrangidos quando for definido o novo calendário de adopções. A lei prevê ainda a certificação prévia de todos os livros. Mas esta só será generalizada para os manuais a adoptar em 2009. A medida só começa a ser implementada daqui a um ano, coincidindo com o início da certificação de manuais. As excepções são os livros dos 1.º e 2.º anos e das línguas estrangeiras. “Do ponto de vista pedagógico, é preferível realizar exercícios e escrita nos manuais quando se está a começar a aprender a escrever ou uma língua nova”, explica ao CM o secretário de Estado adjunto e da Educação, Jorge Pedreira. Mas se para o ano os manuais vão poder ser usados em anos seguidos, o que permitirá às famílias poupar algumas dezenas de euros, este ano as contas para quem tem filhos na escola vão ter mais alguns algarismos. Comprar os manuais na Internet A livraria «on-line» faz parte do grupo Porto Editora, a Webboom.pt (www.webboom.pt), leva a cabo anualmente uma campanha de livros escolares, que oferece descontos de 10% a 20% . Segundo garantiu Paulo Gonçalves, da Porto Editora, à «Agência Financeira», esta livraria «vende todos os livros, de todas as editoras e de todas as áreas». Neste regresso às aulas, já se registaram mais de 178 mil livros vendidos on-line. Em relação ao ano passado, e em período homólogo, a Webboom.pt registou um aumento de encomendas acima dos 50% .

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

As vantagens de apostar num projeto de cozinha com ilha

Este tipo de cozinhas modernas com ilha, são cada vez mais comuns em Portugal por oferecerem uma estética interessante e serem muito mais práticas do que as cozinhas com uma disposição mais tradicional.

artigo

Maçã de Alcobaça IGP não utiliza substâncias perigosas

A Associação de Produtores de Maça de Alcobaça - Indicação Geográfica Protegida veio a público esclarecer os consumidores sobre os produtos que utiliza na produção deste produto certificado, depois de uma notícia divulgada Pesticide Action Network. Um documento...

maca de alcobaca sustent