Q

Previsão do tempo

17° C
  • Wednesday 25° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 30° C
18° C
  • Wednesday 29° C
  • Thursday 34° C
  • Friday 37° C
18° C
  • Wednesday 31° C
  • Thursday 34° C
  • Friday 37° C

TRIANGULANDO LLL.LISBOA. LUTA. LIBERDADE.

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Rogério Raimundo Vereador PCP C.M.Alcobaça Inicio o meu (o já nosso) Triangular com o L de LISBOA. Estou a escrever-vos no final da noite, do domingo eleitoral, intercalar, na capital. Confesso que fiquei em estado de choque com os 63% de abstenção! Os, e as, Lisboetas deram uma de desprezo por este acto democrático, recusando […]

Rogério Raimundo Vereador PCP C.M.Alcobaça

Inicio o meu (o já nosso) Triangular com o L de LISBOA. Estou a escrever-vos no final da noite, do domingo eleitoral, intercalar, na capital. Confesso que fiquei em estado de choque com os 63% de abstenção! Os, e as, Lisboetas deram uma de desprezo por este acto democrático, recusando ir votar.

Fiquei arrepiado, mesmo, com pele de galinha, quando verifiquei que o PS, apregoado como claramente vencedor (pelo seu mandatário, Júdice, que deu uma cambalhota recente saindo do PSD e recém convidado, por Sócrates, para comandar o programa imobiliário do Beira Tejo), teve que recorrer a 2 excursões de idosos de Alandroal e de Cabeceiras de Bastos, para o seu secretário-geral, e 1º ministro, ter povo para o ouvir discursar e para acenar bandeiras. Este facto, último, fez-me lembrar as excursões de apoiantes, arrebanhados com almoços e visitas a Lisboa, organizadas pelos aparelhistas de Marcelo Caetano e de Salazar. Confesso que fiquei na pior, preocupadíssimo! Daí este tom, pessimista, inicial, neste texto opinativo. O PS teve menos votos, eleitores, que em 2005 para as autárquicas com o cabeça de lista Carrilho (que numa desfaçatez impressionante esteve, nesta noite, como comentador na TVI ignorando a sua prática e a da sua lista PS, nestes 2 anos de gestão). Teve 29% quando, em 2005 para as legislativas, teve 43% no concelho lisboeta! Carmona (ex- Presidente da Câmara do PSD) e o PSD tiveram mais votos que o PS (António Costa) o que é demonstrativo que o governo ficou muito mal nesta eleições. Os 10% da Helena Roseta são, também, descontentamentos, claros, da prática política do PSócrates. É claro que também não estou satisfeito com os resultados da CDU, apesar de mantermos os 2 eleitos que tínhamos e com isso podermos manter uma presença actuante na vereação. Se tivéssemos o mesmo nº de votos que tivemos em 2005, seríamos segunda força política nestas eleições! Porque não conseguimos convencer o Povo da alternativa? Porque não convencemos, ao menos, o nosso eleitorado? No 2º vértice do triângulo, avanço com outra palavra com L: LUTA. Em todo o lado, positivamente, confiante, o povo vai resistindo e lutando. Até na festa do Estádio da Luz, 40 mil vaiaram, maravilhosamente, Sócrates! Nos ataques ao Serviço Nacional de Saúde ou no fecho de escolas, comissões e massas resistem e são criativos e alegres na Luta. Esta semana milhares de funcionários públicos manifestaram-se, aguerridos, mais uma vez, contra uma avalanche de retirar de direitos conquistados ao longo de décadas. Como sabíamos, a questão não estava em retirar aos funcionários públicos, para dar aos que trabalham no privado. O governo PS tem estado, sempre, a tirar a todos os trabalhadores, a todos os que produzem e empreendem, a todos os Portugueses e Portuguesas. Está a nivelar por baixo, com perda generalizada do poder de compra de todos e com um excepcional enriquecimento, instantâneo, de meia dúzia. O poder central, Sócratista, está com maioria absoluta, mas está aflito, inseguro, com peso na consciência. Há tiques e sinais preocupantes de censura e de (re)pressão para quem luta, para quem está contra o governo. Há declarações de altos responsáveis que fazem lembrar outros tempos. Por enquanto, não impede o povo de se manifestar (a não ser militares), mas recolhe nomes de quem se manifesta e tenta esconder, afastar manifestantes, dos espaços do poder e dos seus convidados. Há dias, nas inaugurações da A17 (que era para ser na Marinha Grande e na véspera é desviado o local da festa) e da Ponte das Lezírias, criaram um espaço para os convidados e esconderam-se, com medo, do povo. Recentemente, o 1º ministro entra na Casa da Música, pelos bastidores. Fazem lembrar cenas já vistas com a governação do PSD/PP. Para acabar o escreviver, a tri-temática, saliento o L de LIBERDADE.Naturalmente a que vem do 14 de Julho da Tomada da Bastilha, da Revolução Francesa, acompanhada, das palavras-princípios-valores, da Igualdade e da Fraternidade. Mas não a festejada por S(ócrates) e S(arkózy) nos Campos Elísios com um poderio militar, duma Europa contra os Povos. Dou o destaque para a necessidade de TOCAR A REBATE em defesa da Liberdade, onde se aplica a inteligência, a imaginação, para resolver as nossas necessidades. Alerto que, se nos distraímos, com estes episódios, que têm um maestro político, que têm uma conjuntura, que tem muitos poderosos que só vêem o lucro e o enriquecimento, perdemos a LIBERDADE a sério. Esta, bem sabemos, que temos de conquistá-la todos os dias. Lutando, sem medos, exercendo os nossos direitos e os nossos deveres. Para terminar é bom lembrar Bertolt Brecht, no poema “Elogio da Dialéctica”: A injustiça avança hoje a passo firme. Os tiranos fazem planos para dez mil anos. O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são. Nenhuma voz além da dos que mandam. E em todos os mercados proclama a exploração: isto é apenas o meu começo. Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem: Aquilo que nós queremos nunca mais o alcançaremos. Depois de falarem os dominantes Falarão os dominados. Quem pois ousa dizer: nunca? De quem depende que a opressão prossiga? De nós. De quem depende que ela acabe? Também de nós. O que é esmagado, que se levante! O que está perdido, lute! O que sabe ao que se chegou, que há aí que o retenha? Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã. E nunca será: ainda hoje.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

As vantagens de apostar num projeto de cozinha com ilha

Este tipo de cozinhas modernas com ilha, são cada vez mais comuns em Portugal por oferecerem uma estética interessante e serem muito mais práticas do que as cozinhas com uma disposição mais tradicional.

artigo

José Soares dá nome à Biblioteca Municipal

No dia em que o autor de várias obras dedicadas à sua terra completou 100 anos de vida, a Biblioteca Municipal prestou-lhe homenagem. O nome de José Soares passa, a partir de hoje, a estar ligado à Biblioteca Municipal. O Município prestou homenagem ao autor de...

jose soares