Q

Previsão do tempo

12° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
12° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 14° C
  • Thursday 14° C
13° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 14° C
  • Thursday 13° C

Adiada para Novembro a prestação de contas

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Direcção Nacional da PSP quer reaver dinheiro alegadamente desviado por agente da esquadra da Nazaré Agente da PSP da Nazaré acusado de ter desviado dinheiro O Ministério Público acusa um agente da PSP da Nazaré de alegada apropriação de dinheiros pertença da Direcção Nacional António Paulo Foi adiada a realização no Tribunal Judicial da Nazaré […]
Adiada para Novembro a prestação de contas

Direcção Nacional da PSP quer reaver dinheiro alegadamente desviado por agente da esquadra da Nazaré

Agente da PSP da Nazaré acusado de ter desviado dinheiro

O Ministério Público acusa um agente da PSP da Nazaré de alegada apropriação de dinheiros pertença da Direcção Nacional

António Paulo

Foi adiada a realização no Tribunal Judicial da Nazaré da primeira sessão do julgamento de um agente da PSP que presta serviço na esquadra local, e que está acusado pelo Ministério Público (MP) de ter desviado mais de 5 900 euros, durante parte do período em que foi responsável pela escrituração de verbas no posto policial local. O início do julgamento chegou a estar agendado para ontem, mas acabou por ser adiado para 19 de Novembro próximo.

O caso chega à barra do Tribunal, depois de uma denúncia anónima ter sido dirigida à Procuradoria Geral da República em Dezembro de 2003, acusando o comandante distrital de Leiria, à época o sub-intendente Diamantino Jordão, de ter dado alegada “cobertura” a um presumível “desfalque de dois mil contos” que teria sido cometido por um agente da PSP da esquadra da Nazaré, mandando-o “repor” o montante em falta, e ao não “determinar” que a comunicação do alegado ilícito ao MP. Estas acusações viriam a revelar-se infundadas, uma vez que o Diamantino Jordão desencadeou um inquérito disciplinar, remetendo uma certidão aos serviços do MP, após a conclusão de um relatório de verificação à contabilidade da esquadra, realizado em Março de 2003, que apontava para a falta de 5 927,46 euros, e cuja responsabilidade recaía sobre o agente António Filipe, que teve a seu cargo a escrituração das verbas na esquadra nazarena, entre Junho de 2001 e Janeiro de 2003. O MP acusa António Filipe de 52 anos de idade, de peculato, crime que tem uma moldura penal fixada no máximo até oito anos de prisão, mas dado que o polícia “não tem antecedentes criminais e está inserido, familiar, social e profissionalmente”, a acusação pública entende que “em julgamento nunca se deverá aplicar ao arguido a pena de prisão superior a cinco anos”. De acordo com o despacho de acusação, a 30 de Junho de 2002, o agente António Filipe terá escriturado a recepção de 5 560,35 euros relativos a despesas com foguetes, certidões e remunerados. Porém, “nos documentos existentes na esquadra e que compõem o livro de caixa não existe documento comprovativo de que este montante tenha sido depositado na Caixa Geral de Depósitos a favor da Direcção Nacional da PSP”, refere o MP para quem “nem nos arquivos de contabilidade existente no Comando de Polícia (em Leiria) foram localizados quaisquer documentos que comprovem a referida transferência bancária”, concluindo que “o arguido não procedeu ao depósito dessa quantia”. Cerca de 6 mil euros em falta Passados seis meses, em Janeiro de 2003, António Filipe “escriturou a quantia de 1 553,66 euros”, tendo contabilizado um cheque de 375,12 euros, documento que havia entrado nas contas no mês anterior, mas que veio a revelar-se sem cobertura e que havia sido pago pelo seu emissor em Novembro de 2002 nos serviços de finanças do Comando Distrital de Leiria. Deste modo, e de acordo com o MP, o agente da PSP “deu origem à duplicação de registos, dado que a despesa foi só uma, provocando uma falta no valor de 375,12 euros”. “Considerando que o total global dos valores escriturados atingiu o montante de 5 935,46 euros e que existia no cofre 8 euros, verifica-se que se encontra em falta o montante de 5 927,46 euros, valor este que a Direcção Nacional da PSP se encontra lesada”, refere o MP no seu despacho da acusação. Sustentando que “o arguido agiu de forma livre, deliberada e consciente, apoderando-se de dinheiros que lhe foram entregue por força das suas funções”, bem “sabendo que o seu comportamento era proibido e punido por lei penal”, o MP acusa António Filipe de ter cometido, “em autoria material e sob forma consumada, um crime de peculato”. O agente, que se encontra de serviço na esquadra da Nazaré, está sujeito à medida de coação de Termo de Identidade e Residência, tendo sido afastado das funções que exercia, nas quais se incluía “receber verbas em dinheiro ou cheque por serviços prestados a entidades particulares ou oficiais que não se encontram no horário de serviço dos agentes policiais (gratificados), registar esses valores no livro de caixa e proceder ao respectivo depósito numa conta da Caixa Geral de Depósitos da Direcção Nacional da PSP”. Até à conclusão do julgamento, o processo disciplinar interno encontra-se suspenso, e na parte cível a Direcção Nacional da PSP pede uma indemnização de 5 927,46 euros, acrescidos de juros.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Simulação de roubo de telemóveis para receber dinheiro do seguro

Um casal residente na Nazaré simulou um assalto para poder receber cerca de dois mil euros do seguro. Foram as contradições nos depoimentos que acabaram por desmontar a mentira e agora os dois vão responder por simulação de crime e possível tentativa de burla. O...

Detido em flagrante por violência doméstica

Um homem de 30 anos foi detido por violência doméstica, na sequência de uma denúncia a dar conta da situação que foi, rapidamente, acompanhada pelos militares do posto da GNR de Valado dos Frades. Os militares presenciaram o agressor a proferir ameaças à vítima,...

gnr